Meteorologia

  • 01 ABRIL 2023
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 21º

Nato diz que China aumentou atividades de espionagem na Europa

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, denunciou, esta quarta-feira, o aumento de atividades de espionagem e inteligência da China em países europeus, sem confirmar, no entanto, a descoberta de "balões-espiões" chineses sobre a Europa.

Nato diz que China aumentou atividades de espionagem na Europa
Notícias ao Minuto

21:03 - 08/02/23 por Lusa

Mundo China

Os Estados Unidos abateram no sábado um "balão-espião" chinês que andava há dias a sobrevoar várias zonas do país, como o Estado do Montana, no nordeste, onde se situa um dos três campos de silos de mísseis nucleares existentes em território norte-americano.

A China admitiu que o balão lhe pertence, mas disse que se tinha extraviado da rota devido a ventos fortes e que é usado para fins meteorológicos, não para espionagem.

De visita aos Estados Unidos, Stoltenberg não confirmou a descoberta de balões espiões chineses sobre a Europa.

"Estamos a registar um aumento das atividades de inteligência chinesa na Europa através de diferentes mecanismos. Eles usam satélites, ataques informáticos e, como vimos nos Estados Unidos, balões", frisou o secretário-geral da Aliança Atlântica durante uma conferência de imprensa com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.

O responsável da NATO realçou que Pequim "aumentou muito o investimento nas suas capacidades militares" e alertou que os países da Aliança Atlântica "devem manter-se vigilantes face ao risco constante representado pela inteligência chinesa".

A resposta a estas atividades, segundo Stoltenberg, deve ser "prudente e responsável", tal como considerou a decisão de Washington de derrubar o balão chinês.

Stoltenberg alertou que a segurança já não é uma questão regional, mas global, já que "o que acontece na Ásia afeta a Europa e o que acontece na Europa afeta a Ásia e também a América do Norte".

Já o chefe da diplomacia dos EUA insistiu na versão dos Estados Unidos de que países dos cinco continentes registaram a presença de balões espiões da China.

"Não estamos sozinhos nisto", sustentou Blinken, classificando a presença do balão como uma violação "da soberania, da integridade territorial e do direito internacional".

A porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, frisou hoje que a China lançou "no decurso dos últimos anos" uma "frota de balões destinados a operações de espionagem" em todo o mundo.

Segundo outro dos porta-vozes da Casa Branca, John Kirby, a China trabalha há anos nesse "programa" de balões para operações de espionagem que já sobrevoaram regiões de todo o mundo.

"Trata-se de um programa em que os chineses estão a trabalhar há vários anos. Tentaram melhorá-lo, expandiram-no e puseram-no em prática, tudo com o objetivo de obter informação confidencial", destacou o porta-voz no centro de imprensa estrangeira.

Kirby adiantou que Washington está a falar com os seus aliados de todo o mundo para lhes oferecer informação sobre o alcance desse programa de espionagem chinês e, sem fornecer mais pormenores, indicou que hoje serão revelados novos dados sobre esta matéria.

Os Estados Unidos também anunciaram na sexta-feira que tinham detetado outro "balão-espião" sobre a América Latina, o que o Governo chinês também admitiu, embora continuando a manter que o dirigível não representava "qualquer ameaça".

Os países sobre os quais foi detetado o aparelho foram a Costa Rica, a Colômbia e a Venezuela, segundo diferentes fontes.

A descoberta destes "balões-espiões" desencadeou uma crise diplomática entre Washington e Pequim e motivou a suspensão de uma viagem já agendada do secretário de Estado, Antony Blinken, ao país asiático.

Leia Também: "Balões chineses sobre países dos cinco continentes", acusa Washington

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório