Meteorologia

  • 04 JUNHO 2023
Tempo
27º
MIN 16º MÁX 27º

Sismo na Turquia. Biden garante a Erdogan "toda a ajuda necessária"

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, garantiu esta segunda-feira ao homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, que prestará "toda a ajuda necessária, seja ela qual for", após o devastador terramoto registado na Turquia, perto da fronteira com a Síria.

Sismo na Turquia. Biden garante a Erdogan "toda a ajuda necessária"

Biden manifestou "as suas condolências em nome do povo" norte-americano e garantiu que as equipas de socorro enviadas pelos Estados Unidos serão "mobilizadas rapidamente para apoiar os esforços de busca e resgate", salientou, em comunicado, a Casa Branca, sobre o diálogo entre os dois líderes.

O chefe de Estado norte-americano expressou também ao Presidente turco a disponibilidade das equipas norte-americanas para "coordenar outra assistência que possa ser necessária para as pessoas afetadas pelos terremotos, incluindo serviços de saúde ou materiais básicos de socorro".

Em concreto, os EUA planeiam enviar duas equipas especializadas de busca e resgate urbano para a Turquia, com 79 pessoas cada, detalhou John Kirby, um dos porta-vozes da Casa Branca.

A par de países como Israel e os Estados Unidos, França divulgou que ia enviar na segunda-feira à noite 139 equipas de resgate da segurança civil para a Turquia.

O Reino Unido vai enviar 76 especialistas em busca e salvamento, quatro cães treinados para este tipo de operações e equipamento como dispositivos de escuta sísmica, ferramentas de corte e fragmentação de betão e material para escoramento dos destroços.

O número de mortos, segundo os mais recentes dados oficiais, é superior a 3.600.

Na Turquia, o registo de vítimas subiu esta segunda-feira à noite para 2.379 mortos, segundo o vice-Presidente Fuat Otkay, enquanto na Síria, o número de mortos é agora de quase 1.300, de acordo com o Ministério da Saúde e equipes de resgate.

Perante as condições, a Organização Mundial da Saúde alertou que espera um número final muito maior.

"Muitas vezes vemos números oito vezes maiores aos números iniciais", realçou à AFP Catherine Smallwood, gestora de emergência do gabinete europeu da OMS.

O tremor de terra ocorreu às 04:17 (01:17 em Lisboa) desta segunda-feira, a 33 quilómetros da capital da província de Gaziantep, no sudeste da Turquia, próximo da fronteira com a Síria, a uma profundidade de 17,9 quilómetros.

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) o sismo registou uma magnitude de 7,8 e sentiram-se dezenas de réplicas, uma das quais de pelo menos 7,6.

O sismo desta segunda-feira foi um dos mais fortes em 100 anos, a par do que abalou Erzincan, no leste da Turquia, em 26 de dezembro de 1939, também com magnitude de 7,8. Este terremoto de 1939 deixou mais de 32.000 mortos e provocou um 'tsunami' no Mar Negro, localizado a cerca de 160 quilómetros do epicentro.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, instou esta segunda-feira a comunidade internacional a ajudar milhares de famílias atingidas, salientando que "muitas já necessitavam urgentemente de ajuda humanitária".

O representante permanente da Síria nas Nações Unidas pediu esta segunda-feira à comunidade internacional ajuda nos esforços de resgate e humanitários após o terramoto e assegurou que o Governo sírio está "preparado" para coordenar a assistência a "todo o território".

Leia Também: Xi Jinping envia mensagem de condolências aos homólogos turco e sírio

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório