Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 25º

UE dá 181 milhões em ajuda humanitária para África Central e Ocidental

A União Europeia (UE) vai disponibilizar 181,5 milhões de euros este ano para ajuda humanitária para os países da África Central e Ocidental, fustigados por conflitos, alterações climáticas e aumento galopante dos preços na alimentação, foi hoje anunciado.

UE dá 181 milhões em ajuda humanitária para África Central e Ocidental
Notícias ao Minuto

12:17 - 06/02/23 por Lusa

Mundo Ajuda humanitária

De acordo com um comunicado da Comissão Europeia, Bruxelas "alocou 181,5 milhões de euros este ano para ajuda humanitária na África Central e Ocidental, enquanto a região continua a enfrentar crises prolongadas alimentadas por conflitos e agravadas por outros fatores como as alterações climáticas e o pico global do preço dos alimentos".

Deste total, 34 milhões de euros serão alocados para auxílio humanitário na Nigéria, 26,5 milhões de euros para o Chade, 26 milhões de euros para o Mali e 25,5 milhões de euros para o Burkina Faso. O Níger vai receber 25 milhões de euros em ajuda humanitária, seguido pela República Centro-Africana (20,5 milhões de euros, mais 500 mil euros em "alocações regionais"), os Camarões (17 milhões de euros) e a Mauritânia recebe a fatia mais pequena (6,5 milhões de euros).

Parte deste apoio já tinha sido acordado entre os Estados-membros da UE e estes países africanos na Conferência do da Região do Lago do Chade, em Niamey, no mês passado.

O anúncio foi feito por ocasião da reunião que está a decorrer hoje em Bruxelas entre a UE e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO). Do total do valor anunciado, 111 milhões de euros beneficiarão países que pertencem à CEDEAO, da qual fazem pare o Benim, Burkina Faso, Cabo Verde, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné-Conacri, Guiné-Bissau, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Serra Leoa, Senegal e Togo.

O montante tem como finalidade apoiar as populações deslocadas e as que acolherem refugiados e deslocados que fugiram de zonas de conflito, apoiar vítimas de violações dos direitos humanos, "incluindo sobreviventes de violência sexual e de género, assim como crianças", auxílio médico para populações a viver em áreas "fora do alcance das autoridades sanitárias", entre outros.

A Comissão Europeia também pediu mais 32 milhões de euros às autoridades financeiras europeias, dos quais 25 milhões de euros beneficiariam os países da CEDEAO.

Leia Também: Sismo. Presidência sueca da União Europeia oferece ajuda a Ancara

Recomendados para si

;
Campo obrigatório