Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 25º

Covid. China perdeu influência na Ásia devido à política de 'zero casos'

A China perdeu influência na Ásia, em 2022, devido ao isolamento a que se submeteu no âmbito da política 'zero covid', embora tenha aumentado a sua capacidade militar, segundo um estudo publicado hoje.

Covid. China perdeu influência na Ásia devido à política de 'zero casos'
Notícias ao Minuto

06:59 - 06/02/23 por Lusa

Mundo Covid-19

O Asia Power Index 2023 ("Índice de Poder na Ásia em 2023"), elaborado pelo Instituto Australiano para Estudos de Política Externa Lowy, colocou a China em segundo lugar, numa lista de classificação de 26 países e territórios, liderada pelos Estados Unidos.

O mesmo índice sobre política externa na região situou outras potências "médias", incluindo Japão, Índia, Rússia e Austrália, entre a terceira e a sexta posição.

A China registou a maior redução de poder, em comparação com os restantes países analisados, devido às medidas de prevenção altamente restritivas impostas no país, que resultaram no encerramento praticamente total das suas fronteiras.

No âmbito da política de 'zero casos' de covid-19, que foi, entretanto, desmantelada, quem entrava no país asiático tinha que cumprir até 28 dias de quarentena em instalações designadas. As ligações internacionais ao país foram reduzidas mais de 98% face ao período pré-pandemia.

A estratégia levou também ao colapso dos dados económicos e a uma quebra no investimento externo feito pela China em 2022.

O instituto deu à potência asiática uma pontuação de 72,5 pontos, num total de 100, o que representa uma queda de 2,1 pontos face à classificação do ano anterior. Os Estados Unidos, com 80,7 pontos, perderam 1,5 pontos.

"A capacidade económica da China, uma medida de força fundamental, e a capacidade de usar a economia como vantagem geopolítica, está no nível mais baixo desde 2018", vincou o estudo.

Mas a China melhorou a sua capacidade militar, o que lhe permitiu reduzir a lacuna com os Estados Unidos neste campo, segundo a análise.

O relatório referiu que, em 2022, a China implantou as suas capacidades militares "de forma mais assertiva" no Mar do Sul da China, na fronteira com a Índia e em resposta à visita a Taiwan da então presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, a democrata Nancy Pelosi.

"As extensas manobras militares da China em torno de Taiwan foram concebidas para testar as respostas do Exército de Libertação Popular [as Forças Armadas chinesas] e de Taiwan, mas também para estabelecer um 'novo normal', com repetidas incursões de aviões militares chineses sobre a linha mediana do Estreito de Taiwan", referiu o documento.

Embora mantenham a sua influência militar na Ásia, os Estados Unidos perderam terreno significativo a nível de influência diplomática na região, apesar da criação ou fortalecimento de acordos regionais estratégicos como o QUAD (que inclui ainda Japão, Índia e Austrália), ou o AUKUS, um pacto de defesa entre Camberra, Washington e Londres.

O Instituto Lowy previu que Washington não vai recuperar a "primazia incontestável" na região, onde a influência é "cada vez mais caracterizada pela concorrência bipolar entre duas superpotências".

"A potência global da China continua a ficar atrás dos Estados Unidos", disse o relatório. Pequim, no entanto, "segue de perto", ressalvou.

Leia Também: Covid. Mais de 3 mil mortes entre 27 de janeiro e 2 de fevereiro na China

Recomendados para si

;
Campo obrigatório