Meteorologia

  • 18 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 16º MÁX 21º

Moscovo e Kyiv anunciam "troca especial" de 179 prisioneiros de guerra

As autoridades ucranianas anunciaram hoje a libertação de 116 soldados e membros das forças de segurança do seu país, num grupo que inclui "defensores" de Mariupol, Gerson e Bakhmut, enquanto a Rússia divulgou a libertação de 63 militares.

Moscovo e Kyiv anunciam "troca especial" de 179 prisioneiros de guerra
Notícias ao Minuto

12:11 - 04/02/23 por Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

"Conseguimos devolver ao nosso povo, os nossos heróis", anunciou o chefe de gabinete do Presidente, Andriy Yermak, através da sua conta na rede social Telegram.

De acordo com a mesma fonte, nesse grupo, encontram-se 87 soldados das forças armadas, sendo os restantes membros da polícia nacional, do serviço da guarda de fronteiras e dos serviços de emergência.

Junto com a libertação destes soldados, foram devolvidos à Ucrânia os corpos de dois voluntários estrangeiros mortos, identificados como o britânico Christopher Matthew Perry e o neozelandês Andrew Tobias Matthew.

Entre os corpos sem vida está também a devolução de um ucraniano que serviu a Legião Estrangeira Francesa, identificado como Yevgeny Olegovich Kulik.

O Ministério da Defesa da Rússia já tinha anunciado a troca de 63 prisioneiros de guerra russos, pela segunda vez este ano, graças aos esforços de mediação dos Emirados Árabes Unidos, sem informar quantos militares ucranianos foram enviados para Kyiv.

Nesta "troca especial" anunciada hoje por Moscovo e Kyiv, num total de 179 presos de guerra, estão entre os 63 militares russos alguns de "destacada importância" que já estão de volta ao território controlado por a Rússia.

"Como resultado de um complexo processo de negociações, 63 militares das Forças Armadas da Rússia regressaram dos territórios controlados por o regime de Kyiv", anunciou num comunicado.

Segundo o Ministério da Defesa, "neste momento, todos os militares estão em território russo" e "foi-lhes oferecida ajuda psicológica e médica necessária, além da possibilidade que lhes foi dada de comunicarem com a sua família".

"Dentro do grupo de militares russos libertados estão incluídas pessoas de 'categoria sensível', cuja troca foi possível graças aos esforços de mediação das autoridades dos Emirados Árabes Unidos", afirmou o ministério, sem dar mais detalhes.

Na quarta-feira, a provedora da Justiça da Rússia, Tatiana Moskalkova, acusou o lado ucraniano de aplicar dois pesos e duas medidas no processo de troca de prisioneiros, ao priorizar "figuras mediáticas" e riscar das listas soldados rasos e oficiais subalternos.

"Para as autoridades ucranianas, o benefício político está acima da piedade e do humanismo", denunciou a provedora enquanto apontava que isso afeta "a eficácia das trocas".

Neste sentido, a provedora da Justiça russa acrescentou que o processo de troca está a alongar-se, o que afeta os militares gravemente feridos.

Segundo um comunicado emitido pela agência russa TASS, o Ministério da Defesa agradeceu aos Emirados Árabes Unidos os seus esforços de mediação para facilitar o intercâmbio de prisioneiros.

Leia Também: Rússia anuncia troca de 63 prisioneiros com mediação dos EAU

Recomendados para si

;
Campo obrigatório