Meteorologia

  • 13 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 25º

Greta Thunberg detida pela polícia em manifestação na Alemanha

A ativista climática foi detida durante protesto contra mina de carvão a céu aberto em Lützerath.

Notícias ao Minuto

16:56 - 17/01/23 por Hélio Carvalho

Mundo Greta Thunberg

A ativista climática sueca Greta Thunberg foi detida, esta terça-feira, pela polícia alemã em Lützerath, onde vários manifestantes têm protestado nos últimos dias contra a demolição da vila, que vai dar lugar à expansão de uma mina de carvão a céu aberto.

Lützerath tem estado no foco dos ativistas climáticos alemães nos últimos dias, e milhares de manifestantes têm lutado contra destruição da vila pelas autoridades alemãs. Thunberg juntou-se aos protestos na sexta-feira, criticando o governo alemão por investir num combustível fóssil como o carvão em 2023.

Segundo conta a Reuters, a sueca estava sentada com outros ativistas na berma da mina, contra as indicações das autoridades locais. A polícia terá avisado que iria usar a força, caso os manifestantes não saíssem do local.

"Greta Thunberg fazia parte de um grupo de ativistas que correu em direção à berma. No entanto, ela foi travada e levada por nós com este grupo para fora da área de perigo, para serem identificados", disse um porta-voz da polícia de Aachen à agência de notícias.

Um ativista terá mesmo saltado para o interior da mina, desconhecendo-se se terá ficado ferido.

A exploração fica situada a nove quilómetros de Lützerath, em Garzweiler.

Desconhece-se também o que acontecerá a Thunberg na sequência da detenção. A ativista foi arrastada pelas autoridades (o que terá sido pretendido, já que a desobediência civil pacífica é uma imagem de marca dos ativistas climáticos) e foi vista no interior de uma carrinha da polícia, com outros detidos, a sorrir.

Thunberg dirigiu-se aos ativistas num discurso no sábado, considerando que a expansão da mina era "uma traição às gerações presentes e futuras".

"A Alemanha é uma das maiores poluidoras do mundo e precisa de ser responsabilizada", afirmou a líder do movimento internacional de estudantes pelo clima, que em Portugal é representado pela Greve Climática Estudantil.

Na quarta-feira, a polícia já tinha expulsado vários ativistas, que se foram juntando em ações de desobediência civil, com o objetivo de obstruir as operações de despejo na localidade e de alertar para o impacto ambiental da expansão da mina.

Os protestos não são exclusivos à localidade situada no estado de Renânia do Norte-Vestfália, na zona oeste da Alemanha (perto da fronteira com os Países Baixos. Em Colónia, ativistas colaram-se à estrada para protestar contra as políticas energéticas do país e, em Düsseldorf, cerca de 120 manifestantes ocuparam os caminhos de ferro em direção a uma central de energia.

As organizações climáticas têm acusado a polícia alemã de reprimir violentamente as manifestações, com os confrontos na segunda-feira entre as dezenas de milhares de ativistas e as autoridades a gerarem alguns feridos e várias detenções.

O governo alemão, do qual faz parte o Partido Verde em coligação com o SPD e os liberais, têm sido alvo de duras críticas por contornar as sanções russas e a dependência do país no gás natural russo com o recurso a centrais a carvão, que estavam desligadas ou em vias de encerrar.

[Notícia atualizada às 17h32]

Leia Também: Polícia alemã conclui despejo de localidade para exploração de carvão

Recomendados para si

;
Campo obrigatório