Meteorologia

  • 24 MAIO 2024
Tempo
22º
MIN 13º MÁX 25º

Opositores zimbabueanos detidos em rusga apresentaram-se hoje em tribunal

Um grupo de opositores zimbabueanos, incluindo um membro do parlamento, detidos no sábado numa rusga policial à casa onde estavam reunidos, compareceu hoje no tribunal, acusado de reunião ilegal, a meses das eleições gerais.

Opositores zimbabueanos detidos em rusga apresentaram-se hoje em tribunal
Notícias ao Minuto

16:55 - 16/01/23 por Lusa

Mundo Zimbabué

O ambiente estava tenso no tribunal dos magistrados na capital Harare, onde a imprensa foi impedida de cobrir o processo pela polícia de choque, segundo a agência France-Presse.

A polícia, armada com espingardas e bastões de assalto, empurrou os jornalistas, mando-os retirar pois, caso contrário, "ficariam feridos".

Um dos advogados dos ativistas, Kudzai Kadzere disse ter sido espancado por agentes da polícia quando foi à esquadra para onde os seus clientes tinham sido levados no sábado e queixa-se de ter ficado com um braço partido.

"Estamos profundamente desapontados pelo facto de a polícia, que tem a obrigação constitucional de proteger os direitos de todos os cidadãos, ser a primeira a os violar", disse a Law Society of Zimbabwe, através de uma declaração.

Os ativistas detidos pertencem ao principal partido da oposição, a Coligação dos Cidadãos para a Mudança (CCC).

No sábado, tinham-se encontrado "em privado" na casa de um elemento do parlamento, num município de Harare. No Zimbabué, as reuniões públicas devem ser autorizadas pela polícia.

Grupos de direitos e partidos da oposição estão a denunciar uma intensificação da repressão governamental antes das eleições gerais deste ano.

"Esta é uma prisão intencional para perseguir os nossos membros", disse a porta-voz do partido, Fadzayi Mahere, denunciando "uma escalada de violência política".

"Queremos eleições, não queremos guerra. Isto não augura nada de bom para uma eleição livre e justa", disse aos meios de comunicação fora do tribunal.

Leia Também: Zimbabué impõe prisão até seis meses para trabalhadores de saúde em greve

Recomendados para si

;
Campo obrigatório