Meteorologia

  • 23 JULHO 2024
Tempo
35º
MIN 23º MÁX 38º

União Africana estima pelo menos 600 mil mortos na guerra de Tigray

Pelo menos 600 mil pessoas terão morrido na guerra iniciada em 2020 entre o exército etíope e a Frente Popular para a Libertação do Tigray, estimou hoje o mediador da União Africana para o conflito naquela região da Etiópia.

União Africana estima pelo menos 600 mil mortos na guerra de Tigray
Notícias ao Minuto

16:51 - 15/01/23 por Lusa

Mundo Etiópia

Olusegun Obasanjo, que é também ex-presidente da Nigéria, avançou, em entrevista ao jornal Financial Times, que as suas estimativas apontam para pelo menos 600 mil mortos no conflito, recordando que, durante a assinatura do acordo de cessar-fogo em Pretória, na África do Sul, em novembro do ano passado, as autoridades etíopes se felicitaram por interromper um conflito que, até então, matava "mil pessoas por dia".

O conflito em Tigray eclodiu em novembro de 2020 depois de um ataque da Frente Popular para a Libertação do Tigray (TPLF, na sigla em inglês) à principal base do exército, localizada em Mekele.

O ataque realizou-se depois de meses de tensões políticas e administrativas, incluindo a recusa da TPLF em aceitar um adiamento das eleições e a realização de eleições regionais fora de Adis Abeba.

O Governo do primeiro-ministro, Abiy Ahmed, respondeu ao ataque com uma ofensiva contra o grupo.

A TPLF, que foi força dominante da coligação governante da Etiópia desde 1991 - a Frente Democrática Revolucionaria Popular Etíope, de base étnica -, acusa o primeiro-ministro de alimentar tensões desde que chegou ao poder, em abril de 2018, quando se tornou o primeiro oromo (o maior grupo étnico da Etiópia) a tomar posse.

Grupos de especialistas internacionais ouvidos pelo jornal Financial Times consideraram que a estimativa de Obasanjo pode estar "aproximadamente correta".

É o caso do investigador da Universidade de Ghent (Bélgica), Tim Vanden Bempt, que calcula que só o número de mortes de civis oscile "entre 300.000 e 400.000", seja pelas atrocidades da guerra, pela fome ou por falta de acesso a cuidados médicos.

Responsáveis etíopes, que falaram ao jornal sob condição de anonimato, consideraram, no entanto, que estas estimativas são exageradas, apontando que o conflito deverá ter provocado entre 80.000 e 100.000 mortos.

O líder da Comissão Etíope para os Direitos Humanos, Daniel Bekele, pediu cautela em relação a estimativas, considerando que "provavelmente nunca se saberá o número total de mortes" no conflito.

Leia Também: Etiópia. Grupo armado em Oromía atacou prisão e libertou 480 reclusos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório