Meteorologia

  • 05 FEVEREIRO 2023
Tempo
15º
MIN 8º MÁX 18º

UE acusa China de não garantir os direitos civis e políticos

A delegação da União Europeia (UE) na China publicou hoje um comunicado, por ocasião do Dia Internacional dos Direitos Humanos, no qual sublinha que "os direitos civis e políticos não estão garantidos" neste país asiático.

UE acusa China de não garantir os direitos civis e políticos

Na declaração, salienta que, embora a China "tenha feito esforços notáveis" em diferentes áreas, tais como a redução da pobreza ou o acesso à saúde e à educação, em termos de direitos civis e políticos, em alguns casos, estes são "deliberada e sistematicamente violados".

Também menciona o relatório de discórdia publicado em setembro passado pelo Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos sobre alegadas violações dos direitos humanos contra a minoria muçulmana Uighur na região noroeste de Xinjiang.

A delegação salienta a necessidade de "justiça e responsabilidade" uma vez que as transgressões "podem constituir crimes internacionais" em Xinjiang.

No comunicado, a UE reafirma a sua preocupação com a existência de uma "extensa rede de campos de reeducação política" e denuncia as "detenções arbitrárias em massa" que conduzem a restrições ao exercício das liberdades fundamentais.

Manifesta também preocupação com a utilização de trabalho forçado, tortura, aborto e esterilização forçada como parte das políticas de controlo de natalidade, confirmadas pelo relatório da ONU.

No comunicado, a UE insta a China a "cumprir as suas obrigações ao abrigo do direito nacional e internacional" e a permitir "o acesso sem restrições e sem controlo" de peritos, jornalistas e diplomatas a Xinjiang, ao Tibete e a outras regiões do país.

Também refere que o número de penas de morte e execuções na China "excede em muito as de todos os outros países combinados" e são para crimes não violentos, exortando a China a "reduzir ainda mais o número de crimes puníveis com a morte" como uma punição ineficaz.

"A liberdade de expressão e o acesso à informação têm sido cada vez mais reprimidos na China através da censura, intimidação e vigilância contra jornalistas e trabalhadores dos meios de comunicação social", denunciou a declaração de liberdade de imprensa.

Os trabalhadores dos media chineses sofrem muitos entraves por não "contarem bem a história da China", mas por a contarem com verdade.

Relativamente aos direitos das mulheres e da comunidade LGTBI, dizem que, embora "tenham sido feitos progressos no sentido da igualdade", a violência baseada no género ainda está presente.

Finalmente, a UE reitera a sua preocupação com o uso repressivo da Lei de Segurança Nacional em Hong Kong, bem como com o uso renovado da Lei de Sedição em Hong Kong e com as mudanças radicais no sistema eleitoral na antiga colónia britânica.

Leia Também: Analistas apontam para riscos na China por dados imprecisos sobre surtos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório