Meteorologia

  • 08 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 7º MÁX 12º

Itália autoriza desembarque de 542 resgatados mas Alemanha recebe 164

As autoridades italianas autorizaram hoje três navios de organizações humanitárias a atracar nos seus portos, com mais de 500 migrantes resgatados no Mar Mediterrâneo nos últimos dias, o que é uma alteração da sua posição radical contra estas embarcações.

Itália autoriza desembarque de 542 resgatados mas Alemanha recebe 164

"Da parte da Itália, nunca faltará uma resposta solidária, mas também é preciso que se respeitem as regras, também pelas organizações não-governamentais" (ONG), disse o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Antonio Tajani, em Alicante, Espanha, onde participa na Cimeira Euro-mediterrânica.

Em causa estão os navios Geo Barents, dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) franceses, com 248 migrantes, o Humanity 1, da alemã SOS Humanity, com 261, e o Louis Michel, com 33.

No início do dia de hoje, a Itália tinha autorizado este último, de bandeira alemã, financiado e decorado pelo artista Banksy, a desembarcar os seus 33 resgatados em Lampedusa, na Sicília.

Depois, durante a tarde, as autoridades italianas afirmaram à tripulação do Geo Barents, da ONG francesa MSF, que rumasse para Salerno, nas proximidades de Nápoles.

Os MSF adiantaram que a viagem ainda vai durar 24 horas com o mar em más condições, mas que a designação do porto foi "um alívio para as crianças, mulheres e os homens que já passaram experiências horríveis desde que saíram dos seus países".

A seguir, foi o Humanity 1 a receber a boa notícia, depois de ter solicitado por cinco vezes autorização para atracar em Itália, tendo-lhe sido destinado o porto de Bari, na Apúlia.

Precisamente, pouco depois de a Itália ter aberto os seus portos a estes navios, o embaixador alemão em Roma, Viktor Elbling, anunciou que o seu país ia receber os primeiros 164 candidatos a asilo chegados a Itália.

Pouco depois de chegar ao poder em setembro, o governo de extrema-direita, chefiada por Giorgia Meloni, argumentou que os países sob cujas bandeiras os navios navegam é que são os responsáveis por aceitar os migrantes e que a Itália iria deixar de ser de facto o porto de entrada automática destes na União Europeia.

Roma adiantou que iria apenas autorizar o desembarque de migrantes em estado de "vulnerabilidade".

Esta política provocou um confronto diplomático com a França no mês passado, estando em causa o destino do navio Ocean Viking e dos 234 migrantes que tinha a bordo.

Durante semanas, a Itália recusou que o navio acostasse nos seus portos, forçando a França e acolhê-lo.

Grupos de ajuda e peritos legais argumentaram que a política italiana desrespeita a lei internacional e as convenções marítimas, que requerem que as pessoas resgatadas sejam desembarcadas tão depressa quanto possível no porto de segurança mais próximo.  

Leia Também: Cimeira. Meloni diz que migração deve ser tema "prioritário" dos '27'

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório