Meteorologia

  • 06 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 6º MÁX 18º

Putin refere-se a Pedro, o Grande, e Podolyak atira: "Máscaras caíram"

Podolyak diz que referência de Putin a czar desmascara argumentos usados para justificar guerra na Ucrânia.

Putin refere-se a Pedro, o Grande, e Podolyak atira: "Máscaras caíram"

O principal conselheiro presidencial da Ucrânia, Mykhaylo Podolyak, afirmou, esta quarta-feira, que as "máscaras" da Rússia caíram, numa referência aos argumentos usados por Moscovo para justificar a invasão à Ucrânia.

Este comentário de Podolyak foi feito depois de o presidente da Rússia, Vladmimir Putin, fazer uma referência a Pedro I, apelidado de Pedro, o Grande, czar que criou o Império Russo, num discurso esta quarta-feira.

"As máscaras caíram. Esqueçam as 'provocações da NATO', 'desnazificação' e outros casus belli [ocasiões para a guerra] esquecidos. Putin confirmou o óbvio: A Federação da Rússia está a travar uma guerra de agressão do tipo genocida para conquistar novos territórios, porque Pedro, o Grande, ordenou isso. Alguém mais quer um 'acordo'?", escreveu o conselheiro do presidente da Ucrânia no Twitter.

Sublinhe-se que, esta quarta-feira, numa reunião do Conselho para o Desenvolvimento da Sociedade Civil e dos Direitos Humanos, Putin admitiu que a sua denominada "operação militar especial" é um processo "longo", mas que já produziu resultados "significativos", com a conquista de "novos territórios".

"Novos territórios apareceram. Este é um resultado significativo para a Rússia. Estas são questões sérias. Vejam o Mar de Azov, que se tornou Mar interior da Rússia. Isto é muito sério", disse, lembrando depois que, na sua época, também Pedro, o Grande, lutou pelo acesso ao Mar de Azov. 

Recorde-se que por várias vezes a ambição e desejo de poder de Putin foram apontados como motivo para a invasão. No passado mês de novembro, por exemplo, numa visita a Portugal, a convite da CNN, o antigo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, revelou que percebeu, numa conversa com o chefe de Estado russo, que a sua motivação par a guerra era "ser o novo Pedro, o Grande".

"Aí percebi que as motivações não eram sobre a Ucrânia. Eram sobre ele e o papel que imagina como homem que vai reconstruir o império soviético, é sobre ser o novo Pedro, o Grande. Invadiu a Ucrânia porque pensava que o faria mais popular, porque estava iludido e porque não tinha ninguém para o confrontar", afirmou Boris Johnson.

Leia Também: Putin admite usar armas nucleares mas só em resposta a ataque inimigo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório