Meteorologia

  • 27 JANEIRO 2023
Tempo
12º
MIN 6º MÁX 14º

"Terrorismo nuclear". Rússia acusa Ucrânia de ataques em Zaporíjia

A acusação foi feita pelo ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, que afirma que Kyiv está a criar uma ameaça deliberada a uma possível catástrofe militar.

"Terrorismo nuclear". Rússia acusa Ucrânia de ataques em Zaporíjia
Notícias ao Minuto

15:59 - 06/12/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

A Ucrânia continua a bombardear a central nuclear de Zaporíjia. Quem o diz é o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, que refere que as tropas ucranianas estão a criar uma ameaça deliberada de uma catástrofe nuclear.

De acordo com Shoigu, o Exército russo está a tomar "todas as medidas” para garantir a segurança da maior central nuclear da Europa.

O ministro, citado pela agência Reuters, acusou que Kyiv está a cometer "terrorismo nuclear".

"As nossas unidades estão a tomar todas as medidas para garantir a segurança da central nuclear de Zaporíjia. Por sua vez, o regime de Kyiv procura criar a aparência de uma ameaça de catástrofe nuclear, continuando a bombardear deliberadamente o local”, declarou Shoigu.

Em sentido contrário, a Ucrânia nega ter atacado a instalação, que está sob controle de Moscovo desde o início da guerra, acusando que os ataques foram feitos pela Rússia.

O ministro da Defesa afirmou ainda que a Ucrânia disparou 33 mísseis de grande calibre nas últimas duas semanas. Apesar de a maioria ter sido intercetada pela defesa aérea russa, Shoigu revela que "algumas ainda atingiram objetos que afetam a operação segura da central nuclear”.

"Classificamos esses ataques das tropas ucranianas como terrorismo nuclear”, acrescentou.

Recorde-se que a ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas - mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.702 civis mortos e 10.479 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Leia Também: Nova onda de ataques russos mata pelo menos duas pessoas em Zaporijia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório