Meteorologia

  • 05 FEVEREIRO 2023
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 18º

Linhas Aéreas de Moçambique estão numa "situação alarmante"

A organização não-governamental (ONG) moçambicana Centro de Integridade Pública (CIP) considerou hoje que a paralisação das quatro aeronaves operadas pela Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) é resultado da "situação alarmante" em que a empresa se encontra.

Linhas Aéreas de Moçambique estão numa "situação alarmante"
Notícias ao Minuto

14:35 - 06/12/22 por Lusa

Mundo ONG

Na segunda-feira, a transportadora estatal anunciou em comunicado "a indisponibilidade" das suas quatro aeronaves, devido à necessidade de "manutenção", situação que levou à "reprogramação de voos".

Numa análise ao contexto que a LAM atravessa, o CIP entende que a companhia enfrenta uma "situação alarmante" em que não gera lucros à altura de manter a sua capacidade operacional.

"Com uma estrutura de custos operacionais que supera a sua capacidade de geração de lucro bruto, o défice entre o lucro bruto e os custos operacionais para 2021 foi estimado em 424 milhões de meticais [6,3 milhões de euros]", refere-se na análise.

"A LAM apresenta incapacidade de exploração do espaço aéreo, devido à ausência de aeronaves suficientes para o efeito, aliada ao fraco investimento e fraca manutenção, apesar de inúmeras intervenções de resgate financeiro pelo Estado à empresa", lê-se no documento.

Para manter a atividade, a transportadora tem de alugar aeronaves, o que pode encarecer os custos da empresa para o Estado, acrescenta-se.

Outra razão que tem contribuído para o fracasso da LAM reside na falta de "um quadro orientador das políticas salariais para os membros do conselho de administração".

A lacuna é comum ao setor empresarial do Estado, permitindo que companhias com resultados líquidos negativos tenham uma estrutura salarial pesada, declara aquela ONG.

O CIP enfatiza que a LAM constitui um risco para as finanças públicas, dado que apresenta sistematicamente prejuízos para o Estado.

No último mês, o ministro dos Transportes e Comunicações moçambicano, Mateus Magala, manifestou no parlamento otimismo quanto à recuperação da empresa a curto e médio prazos, considerando que já começou a sanear as contas.

A Lusa não conseguiu uma reação da transportadora sobre a análise do CIP.

Leia Também: Moçambique. Detidos 15 jovens suspeitos de recrutamento para insurgentes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório