Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2023
Tempo
11º
MIN 6º MÁX 12º

Ruanda critica posição internacional "errada" sobre o conflito na RDCongo

O governo do Ruanda criticou hoje a posição "errónea e equivocada" da comunidade internacional sobre o conflito no leste da República Democrática do Congo (RDCongo).

Ruanda critica posição internacional "errada" sobre o conflito na RDCongo
Notícias ao Minuto

13:39 - 06/12/22 por Lusa

Mundo Ruanda

A posição surge num momento em que as tensões entre Kinshasa e Kigali aumentaram por causa das últimas ofensivas do grupo rebelde Movimento 23 de Março (M23).

O ministro das Relações Exteriores do Ruanda, Vincent Biruta, confirmou uma conversa entre o Presidente do país, Paul Kagamé, e o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, após a qual lamentou que "continuem as diferenças de entendimento sobre o assunto".

Blinken disse após a conversa que considerou "produtiva" com Kagamé que é preciso haver "paz e segurança no leste da RDCongo". "Os Estados Unidos apelam ao Ruanda para honrar os seus compromissos em Luanda, incluindo o fim do apoio ao M23", sublinhou.

No âmbito de uma cimeira na capital angolana para avançar na normalização das relações diplomáticas, a RDCongo e o Ruanda acordaram um cessar-fogo, bem como a retirada do M23 das áreas recentemente conquistadas pelo grupo rebelde na província do Kivu do Norte (Leste da RDCongo).

Em resposta, o ministro das Relações Exteriores do Ruanda tem publicado uma série de mensagens na sua conta na rede social Twitter em que destaca que "a posição equivocada da comunidade internacional continua a agravar o problema", antes de frisar que "uma solução duradoura exige que a responsabilidade seja para quem pertence".

Assim, Biruta apontou "a disfuncionalidade do Governo da RDCongo e das suas instituições e o seu apoio às Forças Democráticas de Libertação de Ruanda (FDLR)", um grupo rebelde armado fundado e composto principalmente por hutus, responsáveis ??pelo genocídio de 1994 naquele país africano.

O chanceler ruandês também apontou "interferências e ditames externos e esforços regionais e continentais que servem para proteger a RDCongo de responsabilidades e incentiva-os a não honrar os compromissos assumidos nos processos em andamento".

Por outro lado, tem reiterado que o M23 não deve ser equiparado ao Ruanda". "Não é um problema que o Ruanda tenha de resolver", observou, sublinhando que "as preocupações de segurança do Ruanda devem ser abordadas e, se outros não se sentirem compelidos a fazê-lo, o Ruanda continuará a fazê-lo da sua parte".

As relações entre a RDCongo e o Ruanda estão em crise desde a chegada em massa ao leste da RDCongo de hutus ruandeses acusados de massacrar tutsis durante o genocídio ruandês de 1994.

As tensões aumentaram em maio, quando o governo congolês convocou o embaixador ruandês para denunciar o suposto apoio do país ao M23, algo rejeitado por Kigali, que afirma que Kinshasa apoia a FLDR para realizar ataques no Ruanda.

O M23 é acusado desde novembro de 2021 de realizar ataques contra posições do Exército no Kivu do Norte, apesar de as autoridades congolesas e do M23 terem assinado um acordo de paz em dezembro de 2013, depois de lutar com o Exército desde 2012, com o apoio de tropas das Nações Unidas. Especialistas da ONU acusaram o Uganda e o Ruanda de apoiar os rebeldes, embora ambos os países negassem.

Leia Também: Ruanda acusa países estrangeiros de estarem a "exacerbar" conflito na RDC

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório