Meteorologia

  • 30 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 3º MÁX 12º

Cidade de Berlim despede-se parcialmente do passado colonial alemão

A cidade de Berlim despediu-se hoje parcialmente da sua herança colonial ao renomear uma praça e uma rua com os nomes dos combatentes da resistência africana, que anteriormente ostentavam os nomes de dois colonizadores alemães.

Cidade de Berlim despede-se parcialmente do passado colonial alemão

"Durante muito tempo, minimizámos o nosso passado colonial na Alemanha e menorizámos as injustiças e crimes cometidos [na época]", reconheceu a presidente do distrito de Berlin-Mitte, Stefanie Remlinger.

Na cerimónia da troca de nomes, em pleno "bairro africano" da capital", Remlinger apelou a "não só olhar para o passado, mas também para o futuro", nomeadamente, melhorando o ensino da colonização alemã nas escolas.

Erguido no início o século XX, quando a Alemanha reinava sobre um importante império colonial antes de o perder no final da Primeira Guerra Mundial, o "bairro africano" de Berlim testemunhava essa falta de reflexão sobre as injustiças cometidas.

Após anos de protestos de várias associações africanas, a praça Nachtigal passou hoje a chamar-se Manga Bell Square.

O explorador alemão Gustav Nachtigal teve um papel fundamental no século XIX na fundação das colónias alemãs na África Ocidental, Togo, Camarões e Sudeste Africano (Namíbia), conquistadas pela violência.

O nome de Nachtigal é agora apagado e trocado pelo de Manga Bell, homenagem ao casal real de Douala, povo dos Camarões, Emily e Rudolf Douala Manga Bell.

Líder da resistência contra a expulsão dos Douala das suas casas ancestrais, Rudolf foi executado em 1914.

Por sua vez, a rua até então chamada de Adolf Lüderitz recebeu o novo nome de Cornelius Fredericks.

Adolf Lüderitz, um comerciante de Bremen, é considerado um "pioneiro da colonização", sendo acusado de ter enganado o povo Nama no final do século XIX, que se estabeleceu na costa da atual Namíbia, ao comprar as suas terras por um valor muito reduzido.

Na cerimónia, o embaixador da Namíbia na Alemanha, Martin Andjaba, insistiu que a mudança do nome da rua é "um instrumento de reconciliação entre a geração presente e futura".

Na Namíbia, os alemães foram responsáveis pelo massacre de dezenas de milhares de indígenas dos povos Herero e Nama, entre 1904 e 1908.

Em 2021, após longas negociações, Berlim anunciou reconhecer que cometeu um "genocídio" naquele território africano que colonizou entre 1884 e 1915, prometendo ajuda ao desenvolvimento para beneficia os descendentes das duas tribos.

No mês passado, a Namíbia pediu para renegociar os termos do acordo.

Leia Também: Legado colonial e do esclavagismo ainda prejudica crianças africanas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório