Meteorologia

  • 01 FEVEREIRO 2023
Tempo
12º
MIN 5º MÁX 14º

OMS denuncia falta de acesso para distribuir ajuda humanitária em Tigray

Genebra, 02 dez 2022 (Lusa) -- As agências humanitárias ainda não conseguem aceder à província etíope de Tigray, apesar do acordo de paz assinado há um mês, lamentou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS).

OMS denuncia falta de acesso para distribuir ajuda humanitária em Tigray
Notícias ao Minuto

17:03 - 02/12/22 por Lusa

Mundo Etiópia

"Este processo de paz ainda não se traduziu no acesso total, acesso desimpedido e assistência médica e de saúde generalizada de que o povo de Tigray precisa", disse o responsável das ações de emergência da OMS, Michael Ryan, durante uma conferência de imprensa em Genebra.

Na mesma conferência de imprensa, o diretor-geral da OMS, o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, que nasceu em Tigray reconheceu que "há ajuda alimentar e remédios que são distribuídos".

"Mas queremos acesso livre porque as necessidades são enormes", acrescentou, considerando que "a única solução para o conflito é através do diálogo político e uma solução pacífica" e defendendo que a população civil esteja "no centro" das decisões.

A entrega de ajuda humanitária em Tigray foi interrompida no final de agosto, quando os combates recomeçaram após uma trégua de cinco meses entre o exército federal etíope e seus aliados de um lado e as forças das autoridades rebeldes de Tigray do outro.

Mesmo antes desta interrupção, a ajuda já era insuficiente para fazer face às necessidades de uma região onde cerca de 90% dos seis milhões de habitantes dependem da ajuda alimentar, devido ao conflito que eclodiu em novembro de 2020.

Outra agência da ONU, o Programa Alimentar Mundial (PAM), alertou há uma semana que, embora as operações humanitárias estejam a aumentar no norte da Etiópia, parte do Tigray continua inacessível e a ajuda entregue é menor do que a necessária.

O Tigray esteve praticamente isolado do mundo mais de um ano e está privado de eletricidade, telecomunicações, serviços bancários e combustível.

A guerra começou em 04 de novembro de 2020, quando o primeiro-ministro etíope, Ahmed Abiy, ordenou uma ofensiva contra a então governante Frente Popular de Libertação de Tigray (TPLF, na sigla em inglês), em resposta a um ataque a uma base militar federal e a uma escalada das tensões políticas, incluindo a recusa da TPLF em reconhecer o adiamento das eleições e a sua decisão de realizar eleições regionais fora de Adis Abeba.

A TPLF acusa Ahmed de alimentar tensões desde que chegou ao poder em abril de 2018, quando se tornou o primeiro oromo a tomar posse. 

Até então, a TPLF tinha sido a força dominante no seio da coligação governante da Etiópia desde 1991, a Frente Democrática Revolucionária Popular Etíope, de base étnica. 

O grupo opôs-se às reformas de Abiy Ahmed, que considerou como uma tentativa de minar a sua influência.

Leia Também: Etiópia. Coluna de ajuda da Cruz Vermelha chegou à capital do Tigray

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório