Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 4º MÁX 11º

PR são-tomense pede responsabilização de culpados de mortes após ataque

O Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova, afirmou hoje que todos os atos ocorridos após o ataque ao quartel militar do Morro "devem ser cabalmente investigados e os culpados responsabilizados".

PR são-tomense pede responsabilização de culpados de mortes após ataque

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como "tentativa de golpe de Estado" pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as "investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade".

Na sequência destes eventos, quatro pessoas morreram em circunstâncias que estão sob investigação, e 16 foram detidas, incluindo 12 militares.

Entre os mortos está o antigo oficial do 'batalhão Búfalo' Arlécio Costa, condenado em 2009 por tentativa de golpe de Estado, e apontado como suspeito de ser um dos mandantes do ataque juntamente com o ex-presidente da Assembleia Nacional Delfim Neves -- ambos detidos pelos militares nas suas respetivas casas.

Carlos Vila Nova reforçou a necessidade de se apurarem responsabilidades e destacou a urgência de se responsabilizar todos os culpados.

"Com a tentativa de assalto ao quartel de Morro por um grupo de insurgentes, bem como relativamente aos incidentes que se seguiram, lamento profundamente, mais uma vez, a perda de vidas. No decurso deste ato, continuarei atento ao desenrolar das investigações que se prosseguem com vista ao apuramento da verdade, sobretudo nas circunstâncias em que aconteceram as mortes e a responsabilização de todos os culpados", reiterou o Presidente.

Esta quarta-feira foram divulgados nas redes sociais vídeos que mostram um detido -- que viria a morrer --, deitado no chão, ensanguentado e com as mãos amarradas atrás das costas, a ser agredido por um militar com um pau, enquanto vários outros militares assistiam. Outras imagens mostram detidos deitados ou ajoelhados no terreiro do quartel, com as mãos amarradas e com ferimentos.

No próprio dia do ataque e nos dias seguintes foram amplamente disseminadas imagens dos homens com marcas de agressão, ensanguentados e com as mãos amarradas atrás das costas, ainda com vida, e também já na morgue.

Sobre a disseminação deste conteúdo violento, Carlos Vila Nova, lamenta o sucedido e considerou que esta situação "eticamente era evitável".

Por isso, o chefe de Estado veio "pedir desculpas pela forma como têm sido feitas as divulgações das imagens das ocorrências que se seguiram, após o confronto registado no quartel do Morro e que acabaram com as mortes que se conhecem. Acho que eticamente era evitável estas imagens", reforçou o Presidente são-tomense. 

O chefe de Estado apelou, ainda, à contenção da população para que a justiça possa fazer o seu trabalho e relembrou "que os rumores não são factos".

Muitas vezes os rumores "têm o propósito de nos desviarem do essencial. Peço assim, a contenção de todos. Por isso, vamos aguardar, serenamente, que a justiça faça o seu trabalho e todos os responsáveis sejam chamados à responsabilidade", disse.

Carlos Vila Nova, endereçou ainda os "sentidos pêsames" às famílias das vítimas e ao povo de São Tomé e Príncipe e disse contar com "bom senso" de todos para que a verdade possa ser apurada, "para o bem" do país.

"Conto com o bom senso e colaboração de todos para conclusão de forma serena do apuramento da verdade e a justiça seja feita para o bom, para o bem de São Tomé e Príncipe", acrescentou o Presidente.

Leia Também: Governo de São Tomé nomeia novo governador do Banco Central

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório