Meteorologia

  • 30 JANEIRO 2023
Tempo
10º
MIN 3º MÁX 12º

Japão vê como uma "ameaça" manobras aéreas entre russos e chineses

O Governo do Japão manifestou hoje "grande preocupação" e considerou uma "ameaça" as manobras aéreas conjuntas realizadas na quarta-feira entre Rússia e China próximo ao arquipélago japonês, que incluíram aviões bombardeiros de combate.

Japão vê como uma "ameaça" manobras aéreas entre russos e chineses
Notícias ao Minuto

11:55 - 01/12/22 por Lusa

Mundo aviões bombardeiros

"Vamos acompanhar de perto a crescente cooperação entre os dois países", afirmou hoje o porta-voz do executivo japonês, Hirokazu Matsuno, numa conferência de imprensa sobre estes exercícios militares.

A participação de aviões bombardeiros estratégicos em manobras nas proximidades do território japonês representam "uma ameaça" à segurança nacional, disse Matsuno, acrescentando que Tóquio transmitiu a sua preocupação a Moscovo e Pequim sobre as suas "frequentes atividades conjuntas".

Tóquio e Seul deslocaram caças preventivamente na quarta-feira, após a invasão de várias aeronaves chinesas e russas nas Zonas de Identificação de Defesa Aérea (ADIZ) dos dois países sem aviso prévio.

Esses movimentos, que em nenhum caso envolveram intrusões no espaço aéreo sul-coreano e japonês, foram repetidos na área por aeronaves russas e chinesas e aparentemente foram integrados nas últimas manobras conjuntas realizadas por ambos os países.

As Forças Aeroespaciais Russas e a Força Aérea Chinesa anunciaram na quarta-feira que realizaram a quinta patrulha conjunta com aeronaves estratégicas na região da Ásia-Pacífico.

"Um grupo aéreo composto por porta-mísseis estratégicos Tu-95MS (Tupolev) das Forças Aeroespaciais Russas e bombardeiros estratégicos Hun-6k da Força Aérea do Exército Popular de Libertação da China conduziu patrulhas aéreas sobre as águas dos mares do Japão e da China Oriental," disse o Ministério da Defesa da Rússia.

Moscoo admitiu que em certos estágios da rota os bombardeiros "foram acompanhados por caças de países estrangeiros".

A duração do voo foi de cerca de oito horas, durante as quais os caças Sukhoi Su-30SM e Sukhoi Su-35S das Forças Aeroespaciais Russas forneceram escolta de caças para o grupo aéreo, acrescentou.

As autoridades militares russas também explicaram que, pela primeira vez durante patrulhas aéreas conjuntas, aviões russos pousaram num aeródromo na República Popular da China e aviões chineses pousaram num aeródromo na Federação Russa.

A Rússia enfatizou que "as aeronaves de ambos os países agiram estritamente de acordo com as disposições do direito internacional" e "não houve violações do espaço aéreo de Estados estrangeiros".

Leia Também: Aviões russos e chineses também entraram na zona de defesa do Japão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório