Meteorologia

  • 29 JANEIRO 2023
Tempo
10º
MIN 4º MÁX 12º

EUA negam participação na morte do líder do grupo Estado Islâmico

Os Estados Unidos garantiram hoje que não participaram na morte do líder do grupo Estado Islâmico, enquanto o comando militar norte-americano no Médio Oriente adiantou que Abu al Hasan al-Qurashi foi abatido por rebeldes no sul da Síria.

EUA negam participação na morte do líder do grupo Estado Islâmico

A porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, destacou em conferência de imprensa que a morte de Al-Qurashi "não foi resultado de uma ação dos Estados Unidos".

No entanto, assegurou que o Governo liderado por Joe Biden está "satisfeito" com a sua partida da organização terrorista, pouco tempo depois de ter assumido a sua liderança, em março.

O comando militar dos Estados Unidos o Médio Oriente (CentCom) divulgou que o líder do grupo 'jihadista' foi morto por rebeldes no sul da Síria.

"Esta operação foi realizada em meados de outubro pelo Exército Sírio Livre na província síria de Daraa", destacou o CentCom em comunicado, acrescentando que a morte de Al-Qurachi é "outro golpe para o Estado Islâmico (EI)".

O EI anunciou esta quarta-feira a morte do seu líder e designou Abu al Hussein al Husseini al-Qurashi como o novo "califa", segundo um áudio transmitido pela produtora audiovisual Al Furqan, ligada aos 'jihadistas'.

Abu Hassan al-Hashimi al-Qurashi tinha sido escolhido para líder do grupo EI em março passado.

O porta-voz do grupo não especificou na mensagem as circunstâncias da morte do líder do grupo, a segunda de um chefe do EI em menos de um ano, mas adiantou que a escolha do novo chefe aconteceu após uma reunião da cúpula do movimento 'jihadista'.

O primeiro líder do grupo EI, Abu Bakr al-Baghdadi al-Qurashi, foi morto em 2019 num ataque dos Estados Unidos na província de Idlib, reduto da oposição síria no nordeste do país, e o sucessor, Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurashi, foi abatido a 03 de fevereiro deste ano noutra operação especial das tropas norte-americanas no noroeste do país.

Abu Bakr al-Baghdadi al-Qurashi tinha sido proclamado califa pelo grupo Estado Islâmico em 2019, após a morte do antecessor, Abu Bakr al-Baghdadi.

Desde a morte de al-Baghdadi, os líderes do grupo Estado Islâmico passaram a incluir o nome al-Qurashi, numa referência à tribo dos coraixitas, à qual pertencia o profeta Maomé.

Após uma ascensão meteórica ao poder em 2014 no Iraque e na Síria, e a conquista de vastos territórios, o EI viu o seu autoproclamado "califado" ser derrubado após sucessivas ofensivas militares nestes dois países, respetivamente em 2017 e 2019.

Desde então, a organização foi desestabilizada em várias ocasiões pela morte ou captura de vários dos seus líderes.

Leia Também: Morreu líder do autoproclamado Estado Islâmico (e já há substituto)

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório