Meteorologia

  • 01 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Quatro meses de prisão para russo por fazer 'drone' sobrevoar Noruega

Um tribunal da Noruega condenou hoje um turista russo a 120 dias de prisão efetiva por violar as sanções impostas à Rússia após a invasão da Ucrânia e colocar 'drones' (aeronaves não tripuladas) a voar no país nórdico.

Quatro meses de prisão para russo por fazer 'drone' sobrevoar Noruega
Notícias ao Minuto

14:47 - 29/11/22 por Lusa

Mundo Rússia

A sentença exclui que o homem tenha realizado ações de espionagem, mas considera que a proibição imposta a cidadãos e empresas russos de usar aeronaves para sobrevoar território norueguês se aplica a todos os casos, independentemente do seu propósito.

O indivíduo -- identificado pela imprensa norueguesa como Vitaly Alexandrovich Rustanovich, de 50 anos e que também tem passaporte israelita -- foi detido a 11 de outubro em Storskog, no norte do país, quando regressava de carro à Rússia, e lhe foram confiscados discos rígidos e 'drones'.

No julgamento, o cidadão russo explicou que tinha viajado até à Noruega para ajudar um amigo que arrenda cabanas, produzindo material fotográfico e videográfico da natureza.

Rustanovich, que se encontra em prisão preventiva desde a sua detenção, admitiu os factos, mas declarou-se inocente, garantindo que desconhecia a proibição e sublinhando que não tinha filmado nada de comprometedor.

Vários cidadãos russos foram detidos nos últimos meses por colocar 'drones' em voo sobre o território norueguês, sob a acusação de infringir as sanções impostas a Moscovo pela União Europeia (UE), de que a Noruega não faz parte, mas à maioria das quais se juntou, depois da ofensiva russa lançada na Ucrânia a 24 de fevereiro deste ano e ainda em curso.

Um deles, um cidadão russo de 34 anos que abandonou a Rússia para escapar à mobilização para o exército, foi na passada quarta-feira condenado a 90 dias de prisão efetiva por ter colocado "várias vezes" no ar um 'drone' no sul do país, apesar de só ter fotografado e filmado paisagens.

Particularmente atenta à segurança das suas instalações de produção de energia, a Noruega, agora o principal fornecedor de gás natural da Europa, incluiu a utilização de 'drones' nessa proibição de sobrevoo do seu espaço aéreo.

Os casos despertaram críticas de juristas noruegueses, bem como das autoridades russas, que na segunda-feira convocaram o embaixador do país escandinavo em Moscovo para expressar o seu protesto.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo transmitiu a Robert Kvile a natureza "inaceitável" de tais detenções, que Moscovo classificou como "politicamente motivadas" e não tendo "nada que ver com os princípios de uma justiça justa e imparcial".

A Rússia instou ainda as autoridades norueguesas a "pôr fim a essas ações russófobas e à perseguição de cidadãos russos com base na sua nacionalidade".

"O nosso embaixador aproveitou esta oportunidade para informar [a Rússia] da legislação norueguesa em matéria de sanções", indicou na segunda-feira um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Oslo, Lars Gjemble, comentando a convocação do diplomata.

"Ele também abordou os casos em curso nos tribunais noruegueses. A reunião realizou-se num ambiente positivo", acrescentou.

O encontro ocorreu na véspera do início, hoje, em Tromsø (norte da Noruega), de outro julgamento envolvendo Andreï Iakunin, filho do ex-diretor da empresa gestora da rede ferroviária russa RZhD, Vladimir Iakunin, considerado próximo do Presidente russo, Vladimir Putin.

De nacionalidade anglo-russa, ele é acusado de ter colocado no ar um 'drone' e ter feito gravações em Svalbard, durante uma viagem de iate em volta desse arquipélago situado num ponto estratégico, em pleno coração do Ártico.

O seu advogado tenciona invocar a sua nacionalidade britânica para conseguir que seja ilibado.

No mês passado, a embaixada da Rússia em Oslo tinha já criticado a "psicose" que se apoderou, na sua opinião, da Noruega, Estado-membro da NATO (Organização do Tratado do Atlântico-Norte, bloco de defesa ocidental) com o qual a Rússia partilha uma fronteira de 198 quilómetros de comprimento.

Leia Também: Bruxelas cria estratégia para mercado dos drones na UE

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório