Meteorologia

  • 18 JULHO 2024
Tempo
22º
MIN 17º MÁX 33º

Discurso de Charles Michel na China anulado para evitar censura

A transmissão de um discurso do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em Xangai foi cancelada por as autoridades chinesas pretenderem censurar referências à guerra na Ucrânia, disseram hoje diplomatas europeus à agência francesa AFP.

Discurso de Charles Michel na China anulado para evitar censura
Notícias ao Minuto

16:08 - 08/11/22 por Lusa

Mundo União Europeia

O vídeo pré-gravado do discurso deveria ter sido exibido na abertura da Feira Internacional de Importação da China (CIIE), na sexta-feira passada, mas o porta-voz de Michel e diplomatas confirmaram o cancelamento da transmissão.

"Os chineses queriam censurar parte do discurso de Charles Michel. Bruxelas preferiu cancelar a transmissão do discurso na sua totalidade", disse um dos diplomatas à AFP, sob a condição de não ser identificado.

Outro diplomata que também pediu para não ser identificado disse que as autoridades chinesas queriam censurar todas as referências de Michel à crise na Ucrânia.

Trata-se de um assunto sensível no país asiático, que oficialmente quer ser neutro, mas que continua a ser um aliado estratégico da Rússia.

Questionado hoje sobre o assunto numa conferência de imprensa em Pequim, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, disse não ter conhecimento deste episódio durante a CIIE.

"O presidente Michel foi convidado a discursar na feira de Xangai. Como solicitado pelas autoridades chinesas, tínhamos de facto fornecido uma mensagem pré-gravada, que no final não foi transmitida", disse o porta-voz do presidente do Conselho Europeu, Barend Leyts, à AFP em Bruxelas.

"Transmitimos isto através dos canais diplomáticos habituais", acrescentou.

As relações entre a China e a União Europeia (UE) deterioraram-se desde que as duas partes decretaram sanções devido a acusações a Pequim de violações dos direitos humanos contra a minoria muçulmana uighur na região de Xinjiang, no noroeste do país.

Pequim também impôs um embargo comercial a produtos provenientes da Lituânia em resposta à aproximação entre Vilnius e Taiwan, uma ilha que a China considera parte do seu território.

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro deste ano, os líderes da UE têm apelado repetidamente a Pequim para que condene publicamente as ações da Rússia, mas sem sucesso.

A UE considera a China um "parceiro, concorrente económico e rival sistémico", de acordo com uma formulação adotada em 2019.

Na última cimeira da UE, em outubro, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, denunciou o contínuo "curso assertivo" e a determinação da China em exercer o seu domínio na Ásia, bem como a aliança entre Pequim e Moscovo.

Apesar das diferenças, os laços comerciais entre as duas partes continuam, à semelhança da Alemanha, cujo chanceler, Olaf Scholz, se tornou, na semana passada, o primeiro líder dos sete países mais industrializados (G7) a visitar a China desde o surto de covid-19, no final de 2019.

Michel irá participar na cimeira do G20 na ilha indonésia de Bali, na próxima semana, juntamente com Von der Leyen, e o presidente chinês, Xi Jinping.

Leia Também: China cancelou discurso de Charles Michel na abertura de feira comercial

Recomendados para si

;
Campo obrigatório