Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2022
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 16º

Nova equipa da AIEA assume funções na central nuclear de Zaporíjia

Uma nova equipa da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), integrada por quatro peritos, assumiu a missão de apoio e assistência da agência para o nuclear da ONU na central nuclear de Zaporijia, sudeste da Ucrânia e sob controlo russo.

Nova equipa da AIEA assume funções na central nuclear de Zaporíjia

Em comunicado, esta sexta-feira. divulgado na sua conta Twitter, o organismo para o nuclear da ONU esclarece que diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, "confirmou que foi concluída a primeira rotação" desta missão na Ucrânia.

"Uma nova equipa reforçada com peritos em segurança e controlo da AIEA encontra-se na central" e prosseguirá a "indispensável missão", acrescenta o texto.

Os quatro peritos que agora substituem os dois funcionários que estavam na central desde o início de setembro "apoiarão a zona de proteção da segurança nuclear" em torno da central de Zaporíjia, que Grossi pretende confirmar durante as próximas reuniões com Moscovo e Kyiv.

A AIEA tem alertado desde há vários meses sobre o perigo de um acidente nuclear nestas instalações, pelo facto de a central se encontrar numa zona de guerra e ser alvo de numerosas explosões e bombardeamentos.

O exército russo ocupou a central no início de março passado. Considerada a maior instalação do género na Europa, com seis reatores nucleares VVER-1000, não está a produzir energia elétrica desde 11 de setembro.

Na quarta-feira, o presidente russo Vladimir Putin anunciou a nacionalização da central nuclear, que até ao momento continua a ser operada por funcionários e trabalhadores ucranianos.

Ao ser questionado na quinta-feira sobre a nacionalização da central por parte da Rússia, o diretor-geral disse ser um tema relacionado "com o direito internacional" e um "assunto complexo".

Após sublinhar que as anexações "não se aceitam pelo direito internacional, nem pela Carta das Nações Unidas nem por outros instrumentos, Grossi concluiu que "a nossa posição é que é esta instalação é uma instalação ucraniana", e escusou-se a comentar a atual situação militar no terreno, apenas desejando "que a guerra termine".

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,5 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Leia Também: Estónia anuncia novo pacote de ajuda militar a Kyiv

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório