Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 16º

Líderes da Hungria, Áustria e Sérvia querem reforma das políticas da UE

Os líderes da Hungria, Áustria e Sérvia defenderam que a União Europeia (UE) deve reformar as políticas de migração irregular para defender melhor as fronteiras, prometendo coordenar as suas políticas nacionais nesta área.

Líderes da Hungria, Áustria e Sérvia querem reforma das políticas da UE
Notícias ao Minuto

15:53 - 03/10/22 por Lusa

Mundo UE

"O atual sistema de migração [da UE] falhou", considerou o chanceler austríaco, Karl Nehammer, numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo húngaro, Viktor Orbán, e o Presidente sérvio, Aleksandar Vucic, hoje realizada em Budapeste.

Por isso, exigiu o líder conservador do Governo austríaco, a Comissão Europeia (CE) tem de começar "a dar passos sérios" para agilizar os procedimentos nas fronteiras e chegar a acordo para retorno dos migrantes aos países de origem e intermediários.

Nehammer sublinhou que os três países já colaboram para proteger as fronteiras, razão que os levará a nova reunião, marcada para "daqui a poucos dias" em Belgrado.

"Temos de mover as linhas de defesa para o sul [da Europa]", defendeu, por sua vez, Viktor Orbán, que destacou a importância de fortalecer as fronteiras entre a Sérvia e a Macedónia do Norte.

O chefe do Governo ultranacionalista húngaro também sublinhou a importância do regresso dos migrantes irregulares aos seus países, que considerou tarefa de "elevados custos".

"Isso significa muito trabalho e muitas despesas. A UE deve assumir essas despesas", disse.

Orbán criticou que Bruxelas não tenha apoiado os gastos da Hungria com a defesa das suas fronteiras, como as cercas de proteção que ergueu, em 2015, na sua fronteira com a Sérvia.

Viktor Orbán pediu também a criação de "pontos quentes" fora do território da União Europeia, onde os candidatos possam lidar com a parte burocrática dos pedidos de entrada antes de os entregar à UE.

O Governo húngaro opõe-se categoricamente à migração e Orbán passou a associar os refugiados ao terrorismo, alertando para o suposto perigo que os migrantes representam para a cultura europeia.

O nacionalista e populista Presidente sérvio também destacou a importância da cooperação dos três países nesta área, lembrando que o número de migrantes irregulares que chegam à Europa pela chamada "rota dos Balcãs" está a aumentar e avisando que "o outono e o inverno não serão fáceis".

Leia Também: União Interparlamentar quer ampliar apoio ao parlamento timorense

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório