Meteorologia

  • 14 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 29º

Ataque a infraestruturas? NATO promete à Rússia resposta "firme e unida"

O secretário-geral da Organização do Tratado Atlântico Norte (NATO, na sigla inglesa), Jens Stoltenberg, alertou, este domingo, o presidente da Rússia que haverá uma resposta "firme e unida" em caso de um ataque a infraestruturas críticas dos países-membros.

Ataque a infraestruturas? NATO promete à Rússia resposta "firme e unida"
Notícias ao Minuto

22:34 - 02/10/22 por Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

"Qualquer ataque deliberado contra infraestruturas críticas da NATO terá uma resposta firme e unida", disse Stoltenberg em declarações à cadeia norte-americana NBA, ao ser questionado perante a possibilidade de uma eventual sabotagem ao gasoduto Nord Stream 1.

Sobre a recente anexação de quatro regiões ucranianas por parte da Rússia, Stoltenberg disse que "a melhor resposta é continuar a apoiar a Ucrânia", citado pela Europa Press.

Questionado sobre a petição da Ucrânia para aderir rapidamente à NATO, Stoltenberg sublinhou que a decisão precisa de ser aceite por todos os membros da aliança.

Na sequência da anexação de quatro regiões ucranianas (Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia) por parte da Rússia, a Ucrânia formalizou na sexta-feira um pedido de adesão à NATO.

A possibilidade da entrada da Ucrânia na Aliança Atlântica foi uma das justificações dadas por Putin para ordenar a invasão do país vizinho, em 24 de fevereiro deste ano.

Antes da invasão, Putin exigiu à NATO garantias de que nunca aceitaria a adesão da Ucrânia e da Geórgia, bem como o regresso das forças aliadas às posições anteriores ao alargamento a Leste, tendo a NATO e os aliados ocidentais recusado tais exigências.

A anexação das quatro regiões ucranianas seguiu-se a uma mobilização parcial decretada por Putin em 21 de setembro, após reveses sofridos pelas tropas russas na Ucrânia.

A mobilização, que abrange 300.000 mil reservistas, levou dezenas de milhares de russos a fugir para países vizinhos.

Desconhece-se o número de baixas civis e militares da guerra na Ucrânia, mas diversas fontes, incluindo a ONU, têm afirmado que será muito elevado.

Leia Também: Alemanha, Dinamarca e Noruega vão entregar 16 obuses eslovacos em 2023

Recomendados para si

;
Campo obrigatório