Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2022
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 15º

Praça Vermelha vai receber celebrações de anexação das regiões ucranianas

Veja as imagens dos preparativos que estão em curso na emblemática praça de Moscovo.

Notícias ao Minuto

09:45 - 30/09/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Ucrânia/Rússia

Os preparativos para a grande cerimónia que deverá oficializar a anexação de quatro regiões ucranianas à Rússia estão em curso na Praça Vermelha, em Moscovo.

A área está vedada a visitantes e turistas, enquanto os funcionários montam um palco e colocam grandes ecrãs e cartazes onde pode ler-se: "Donestsk, Luhansk, Zaporíjia, Kherson - Rússia", declarando assim a inclusão destas regiões no território russo.

Conforme divulgado pela presidência russa, Vladimir Putin formalizará esta sexta-feira, durante uma cerimónia solene no Kremlin, a anexação dos quatro territórios ucranianos com a assinatura dos tratados correspondentes.

O porta-voz do Kremlin não adiantou se o presidente russo vai participar nas celebrações na Praça Vermelha, mas espera-se que Putin lá esteja.

Em 2014, depois de a Rússia ter proclamado a anexação da Crimeia, tinha sido organizada uma celebração semelhante.

Na próxima semana, ambas as câmaras do Parlamento russo aprovarão esta adesão, após a qual Putin a promulgará, como aconteceu em 2014 com a anexação da península da Crimeia.

Na Crimeia, um referendo considerado ilegal pelo Ocidente também foi organizado há oito anos, após o qual a sua independência foi proclamada e depois o território anexado pela Rússia.

A Ucrânia garante que tanto os referendos quanto a anexação são ilegais, enquanto o Ocidente também anunciou que adotará novas sanções contra o Kremlin.

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, alertou esta quinta-feira a Rússia que a anexação de territórios ucranianos "não terá valor jurídico e merece ser condenada", frisando que "não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional".

Já a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, garantiu que a União Europeia (UE) vai continuar a apoiar "política, económica e militarmente" a Ucrânia na "guerra atroz" de Vladimir Putin, que procura "inverter o rumo da história" no caminho da democracia.

A Comissão Europeia propôs na quarta-feira um oitavo pacote de sanções à Rússia, face à "nova escalada" do Kremlin na sua agressão à Ucrânia, com a realização de "referendos fraudulentos", mobilização parcial e a ameaça de recurso a armas nucleares.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, garantiu esta quinta-feira que os Estados Unidos nunca reconhecerão os resultados dos referendos "orquestrados pela Rússia" na Ucrânia e acusou o homólogo russo Vladimir Putin de "violação flagrante" da Carta das Nações Unidas.

Leia Também: AO MINUTO: Ataque em Zaporíjia mata 23; Putin formaliza hoje anexação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório