Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

EUA nunca reconhecerão "tentativas ilegais e ilegítimas de anexação"

Os Estados Unidos nunca reconhecerão "as tentativas ilegais e ilegítimas de anexação" de territórios ucranianos pela Rússia, assegurou hoje a porta-voz da Casa Branca, acrescentando que o Ocidente prepara sanções económicas "adicionais" contra Moscovo.

EUA nunca reconhecerão "tentativas ilegais e ilegítimas de anexação"
Notícias ao Minuto

00:04 - 29/09/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Nunca reconheceremos essas tentativas ilegais e ilegítimas de anexação", frisou a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre.

As autoridades pró-russas das regiões ucranianas de Zaporijia, Kherson, Lugansk e Donetsk anunciaram na terça-feira a vitória do "sim" à incorporação na Rússia em referendos organizados por Moscovo e considerados inválidos por Kiev e pelos aliados ocidentais.

Moscovo destacou hoje que as quatro regiões ucranianas controladas pelas forças russas fizeram "uma escolha livre em favor da Rússia".

Karine Jean-Pierre assegurou também que os Estados Unidos e os aliados preparam sanções económicas "adicionais" contra Moscovo.

A Comissão Europeia propôs hoje um oitavo pacote de sanções à Rússia, face à "nova escalada" do Kremlin na sua agressão à Ucrânia, com a realização de "referendos fraudulentos", mobilização parcial e a ameaça de recurso a armas nucleares.

O novo pacote de sanções, apresentado hoje em linhas gerais em Bruxelas pela presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, e pelo Alto Representante da União Europeia (UE) para a Política Externa e de Segurança, Josep Borrell, inclui um teto ao preço do petróleo russo, novas restrições ao comércio para privar a Rússia de cerca de 7 mil milhões de receitas, uma proibição de exportações de mais produtos para privar o Kremlin (Presidência russa) de tecnologias-chave para a sua indústria de armamento, e uma atualização da lista de entidades individuais e coletivas alvo de medidas restritivas.

Bruxelas propõe também nesta nova ronda de sanções a proibição de prestação de serviços europeus à Rússia e a proibição de cidadãos da UE terem assento em órgãos diretivos de empresas estatais russas, argumentando que "a Rússia não deve beneficiar do conhecimento e da perícia europeus".

O novo pacote de sanções hoje proposto pela Comissão liderada por Von der Leyen, o oitavo desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, há sensivelmente sete meses, vai agora ser discutido pelos 27 do bloco europeu, inicialmente ao nível de embaixadores, com vista à sua adoção em sede de Conselho da UE.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 5.996 civis mortos e 8.848 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Leia Também: Joe Biden mobiliza setor privado para combater fome e 'fast food'

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório