Meteorologia

  • 03 FEVEREIRO 2023
Tempo
14º
MIN 6º MÁX 17º

Maduro acusa EUA e Europa de "suicídio económico" para punir a Rússia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou hoje os Estados Unidos e a Europa de optarem pelo "suicídio económico" com o propósito de punir Moscovo pela invasão da Ucrânia.

Maduro acusa EUA e Europa de "suicídio económico" para punir a Rússia
Notícias ao Minuto

06:30 - 28/09/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Na Europa anunciam uma recessão da economia, porque a Europa e os Estados Unidos optaram pelo suicídio económico, tentando matar a Rússia", disse o governante, durante um ato público transmitido pela televisão estatal venezuelana.

Maduro previu que "se anuncia uma grande recessão mundial", numa altura em que a Venezuela "bate o recorde mundial de crescimento económico da economia real, não petrolífera", que disse ser superior a 20% no atual trimestre.

"Há que estudar as repercussões da recessão mundial sobre a economia da América Latina e da Venezuela", frisou.

"A Europa e os Estados Unidos decretaram o suicídio económico e social das suas sociedades, das suas economias, para prejudicar, para acabar com a Rússia", disse o Presidente da Venezuela.

Maduro sublinhou que ainda que "por causa de uma obsessão russofóbica, preferem a crise energética, os apagões, a crise económica, a inflação sem controlo do que negociar a paz com a Rússia, dar 'garantias' à Rússia" para alcançar "um acordo de paz, de concórdia".

Maduro vincou que foi por isso, numa "carta à humanidade" enviada recentemente à ONU, se juntou à iniciativa lançada pelo Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, para criar um Comité Internacional para o Diálogo e a Paz, no seio do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para procurar "uma negociação de paz justa entre a Rússia e a Ucrânia e para toda a humanidade".

"Há que reativar os mecanismos da diplomacia, do diálogo, da política com um 'P' maiúsculo e não permitir que o conflito continue a escalar do militar para o económico, do económico para o social, do social para o político, do político para o militar, e um dia nos vejamos envolvidos numa grande guerra mundial de natureza nuclear", explicou.

O Presidente da Venezuela exclamou "Deus Santo! Não permita que isso aconteça! Não o permita!"

"A humanidade clama pela paz, compreensão, diálogo e diplomacia, e nós, desde a Venezuela, como guerreiros que somos, clamamos pelo diálogo, pela diplomacia e paz. É tão simples quanto isso", disse.

Leia Também: Maduro diz que ameaças dos EUA perdem-se no desprezo e esquecimento

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório