Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2022
Tempo
12º
MIN 8º MÁX 19º

'Bella ciao' ganha versões em persa e emociona Internet: "Deslumbrante"

Canção de resistência está a ser entoada no Irão.

'Bella ciao' ganha versões em persa e emociona Internet: "Deslumbrante"
Notícias ao Minuto

19:01 - 26/09/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Irão

Vivem-se dias agitados no Irão após a morte de Mahsa Amini. Entre os protestos, que já duram há dez dias e que já resultaram na detenção de mais de mil pessoas e na morte de dezenas, há agora uma música que começa a ser entoada no país: 'Bella ciao'. 

A canção, que é um hino de resistência ao fascismo, durante a Segunda Guerra Mundial, ganhou uma versão em persa e está a ser entoada pelas mulheres no Irão, que têm também gritado frases antigovernamentais nos seus protestos.

Uma primeira versão foi cantada pela dupla de irmãs Samin e Behin Bolouri , a 16 de setembro, quando foi conhecida a morte de Mahsa Amini, tornando-se rapidamente viral. 

Já este fim de semana surgiu uma nova versão da canção, também em persa, que mereceu a atenção do diretor do Observatório do Norte de África e do Médio Oriente da Fundação Jean Jaurès, Farid Vahid. 

"Absolutamente deslumbrante! 'Bella ciao' cantada por uma iraniana em persa. Essas mulheres são impressionantes... Viva a liberdade", escreveu numa publicação divulgada no Twitter.

Sublinhe-se que 'Bella ciao' também já tinha sido incluída num filme do cineasta iraniano Mohammad Rasoulof, em 2020: 'O Mal Não Existe', Urso de Ouro no Festival de Cinema de Berlim. Juntamente com Mostafa Al-Ahmad, foi detido e condenado a um ano de prisão por “propaganda antissistema”.

Recorde-se que Mahsa Amini, de 22 anos, foi detida pela chamada "polícia de moralidade" de Teerão, capital do Irão, onde se encontrava de visita, por alegadamente trazer o véu de forma incorreta e transferida para uma esquadra com o objetivo de assistir a "uma hora de reeducação".

A jovem acabou por entrar em coma e morrer dias depois no hospital. As autoridades atribuíram a morte a problemas de saúde, versão rejeitada pela família.

Desde então multiplicaram-se os protestos em pelo menos 20 cidades, com milhares de manifestantes antigovernamentais e forças de segurança a entrarem em confrontos, naqueles que são já considerados como os distúrbios políticos mais graves no país desde 2019. Várias mulheres queimaram os seus hijabs. 

Leia Também: Polícia confronta manifestantes na embaixada do Irão em Paris

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório