Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2022
Tempo
MIN 7º MÁX 14º

Mais de 1.200 pessoas detidas desde o início de manifestações no Irão

As autoridades iranianas detiveram mais de 1.200 pessoas, a maioria no norte do Irão, desde que há dez dias começaram os protestos pela morte de uma jovem detida pela polícia, divulgaram hoje os meios de comunicação locais.

Mais de 1.200 pessoas detidas desde o início de manifestações no Irão
Notícias ao Minuto

15:20 - 26/09/22 por Lusa

Mundo Irão

"Durante a agitação dos últimos dias, 450 manifestantes foram detidos em Mazandaran (norte)", disse o procurador-geral da província, Mohammad Karimi, citado pela agência oficial de notícias Irna.

No sábado, as autoridades iranianas relataram que 739 manifestantes foram detidos, incluindo 60 mulheres em Guilan, província vizinha de Mazandaran, no norte do país.

Citando uma autoridade local, a agência de notícias Fars anunciou no domingo a detenção de 88 manifestantes na província de Hormozgan, no sul.

Segundo a mesma fonte, as autoridades iranianas realizaram outras detenções nas cidades de Zanjan (noroeste), Karaj (oeste de Teerão) e Kerman (sudeste).

Mahsa Amini, de 22 anos e originária do Curdistão (noroeste), foi detida pela polícia da moralidade em 13 de setembro em Teerão, por "vestir roupas inadequadas".

Aquela unidade é responsável por fazer cumprir o rígido código de vestuário no Irão, onde as mulheres devem cobrir os seus cabelos e não é permitido usar roupas curtas ou apertadas, entre outras proibições. A jovem morreu em 16 de setembro no hospital, data em que começaram os protestos no país.

O movimento de protesto espalhou-se por várias cidades do país, onde manifestantes gritaram frases antigovernamentais, segundo os meios de comunicação locais.

"Nos últimos dias, manifestantes atacaram prédios do governo e danificaram propriedades públicas em partes de Mazandaran sob a direção de agentes estrangeiros", disse Karimi.

No domingo, o chefe do judiciário, Gholamhossein Mohseni Ejei, ameaçou não mostrar "nenhuma clemência" para com os manifestantes e pediu à polícia que aja "com firmeza" contra "aqueles que prejudicam a segurança".

De acordo com um relatório oficial não detalhado, 41 pessoas foram mortas, incluindo manifestantes e polícias, em dez dias de protestos.

No sábado, os meios de comunicação locais anunciaram a morte de quatro paramilitares na "agitação" em Teerão, Shiraz (sul), Urmia (noroeste) e Garmsar (centro), elevando para nove o número de agentes das forças de segurança nos últimos dias.

A agência de notícias Tasnim publicou hoje que cerca de 20 fotos de manifestantes, incluindo mulheres, em várias ruas de Qom, uma importante cidade sagrada xiita localizada a cerca de 150 quilómetros ao sul da capital.

As instituições militares e de segurança publicaram estas imagens dos "líderes dos motins" e apelaram aos habitantes para "identificá-los e informarem as autoridades", acrescentou a agência Tasnim.

A morte de Mahsa Amini provocou uma forte condenação em todo o mundo e as organizações não-governamentais internacionais denunciaram a repressão brutal aos protestos.

Leia Também: "Camaradas" russos não sairão vivos se forem para matar, diz Zelensky

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório