Meteorologia

  • 30 SETEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 23º

AO MINUTO: Finlândia trava entrada de russos; Ucrânia castiga Irão

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia.

AO MINUTO: Finlândia trava entrada de russos; Ucrânia castiga Irão
Notícias ao Minuto

07:49 - 23/09/22 por Notícias ao Minuto

Ao Minuto Mundo Ucrânia/Rússia

No 212.º dia de guerra começam os referendos sobre a adesão dos territórios ucranianos de Donetsk, Lugansk, Zaporíjia e Kherson à Federação russa e decorrem até 27 de setembro, indicaram as autoridades pró-russas dessas regiões. O anúncio das consultas populares foi feito pelo presidente russo, juntamente com o da mobilização de 300 mil reservistas russos para combater na Ucrânia e de uma ameaça velada de utilização de armas nucleares contra o Ocidente.

Milhares de pessoas já foram detidas durante manifestações contra a mobilização improvisada em toda a Rússia, segundo a organização não-governamental OVD-Info. O anúncio da mobilização também provocou um forte fluxo de russos que desejam deixar o país, com filas registadas nas fronteiras terrestres e nos aeroportos.

O primeiro-ministro, António Costa, discursou na 77.ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), na quinta-feira, onde criticou as "irresponsáveis ameaças de recurso a armas nucleares" de Vladimir Putin, e pediu à Rússia para cessar hostilidades em vez de escalar o conflito na Ucrânia. O encontro ficou marcado pela invasão russa da Ucrânia e as suas consequências globais.

Fecho de cobertura

Marta Ferreira | há 6 dias

Boa noite. Encerramos aqui a cobertura de mais um acompanhamento AO MINUTO da guerra na Ucrânia que completa amanhã sete meses de invasão. 

Regressaremos com mais pormenores na manhã deste sábado. 

Hungria vai continuar a emitir vistos Schengen a cidadãos russos

Marta Ferreira | há 6 dias

A Hungria vai continuar a emitir vistos Schengen (convenção entre países europeus sobre uma política de abertura das fronteiras e livre-circulação de pessoas) a cidadãos russos, confirmou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto, à agência estatal russa TASS.

Em entrevista à agência o governante referiu: “Existe uma metodologia clara para países com os quais não há acordo de facilitação de vistos, como a Rússia. Mas mesmo que não tenham um acordo de facilitação de vistos, isso não significa que esses vistos não possam ser atribuídos".

Hungria vai continuar a emitir vistos Schengen a cidadãos russos

"Claro que continuamos a emitir vistos", referiu o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Beatriz Cavaca | 23:47 - 23/09/2022

Zelensky exorta resto do mundo a condenar "pseudo-referendos"

Marta Ferreira | há 6 dias

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, exortou hoje o resto do mundo a condenar os "pseudo-referendos" organizados pela Rússia em quatro territórios conquistados após a invasão à Ucrânia.

No seu discurso diário, Zelensky afirmou estar convencido de que "o mundo irá reagir com a maior justiça aos pseudo-referendos" e que estes "serão inequivocamente condenados".

Zelensky exorta resto do mundo a condenar "pseudo-referendos"

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, exortou hoje o resto do mundo a condenar os "pseudo-referendos" organizados pela Rússia em quatro territórios conquistados após a invasão à Ucrânia.

Lusa | 23:18 - 23/09/2022

Ministro da Lituânia nega asilo a russos: "Devem lutar contra Putin"

Marta Ferreira | há 6 dias

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, afirmou, esta sexta-feira à noite, que o país não garantirá asilo aos russos e, em vez disso, estes devem permanecer na Rússia para lutar "contra Putin". 

 
Numa declaração feita na rede social Twitter, Landsbergis afirma que não será dado asilo aos "que simplesmente fogem da responsabilidade". 

"Os russos devem ficar e lutar. Contra Putin", frisa o ministro. 

Biden garante que EUA não reconhecerão resultados dos referendos

Marta Ferreira | há 6 dias

O presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, garantiu hoje que os EUA nunca reconhecerão os referendos da quatro regiões ocupadas pelos russos na Ucrânia.

"Os Estados Unidos nunca reconhecerão o território ucraniano como nada além de parte da Ucrânia. Os referendos da Rússia são uma farsa,  um falso pretexto para tentar anexar partes da Ucrânia à força em flagrante violação do Direito Internacional, incluindo a Carta das Nações Unidas", disse Biden disse em comunicado.

Finlândia vai impedir completamente entrada de turistas russos no país

Marta Ferreira | há 6 dias

Helsínquia anunciou hoje a intenção de impedir completamente a entrada de turistas russos no país, mesmo que tenham visto, alegando que estes podem causar "um grave prejuízo para a posição internacional da Finlândia".

A medida, que entrará em vigor "o mais rápido possível", foi acordada hoje pelo presidente finlandês, Sauli Niinistö, e pelo Comité de Relações Exteriores e Segurança do Governo finlandês, em resposta à crescente chegada de cidadãos russos, após o decreto de mobilização de reservistas para a guerra na Ucrânia anunciado por Vladimir Putin.

Finlândia vai impedir completamente entrada de turistas russos no país

Helsínquia anunciou hoje a intenção de impedir completamente a entrada de turistas russos no país, mesmo que tenham visto, alegando que estes podem causar "um grave prejuízo para a posição internacional da Finlândia".

Lusa | 21:52 - 23/09/2022

Charles Michel diz que Rússia deve ser suspensa do Conselho de Segurança

Marta Ferreira | há 6 dias

O presidente do Conselho Europeu Charles Michel disse, esta sexta-feira, que a Rússia deveria ser suspensa do Conselho de Segurança devido à invasão à Ucrânia.

Charles Michel condenou o facto de o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, ter podido discursas apesar da guerra que a Rússia leva a cabo há sete meses.

Charles Michel diz que Rússia deve ser suspensa do Conselho de Segurança

Presidente do Conselho Europeu condenou o facto de o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, ter podido discursar apesar da guerra que a Rússia leva a cabo há sete meses.

Marta Ferreira | 22:11 - 23/09/2022

Ucrânia castiga Irão após ataque com drones iranianos no porto de Odessa

Marta Ferreira | há 6 dias

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia retirará o credenciamento do embaixador iraniano em Kyiv e reduzirá o número de diplomatas iranianos na capital.

A decisão sucede a denúncia de que foram usados drones iranianos pela Rússia no porto de Odessa num ataque em que dois drones mataram uma mulher e destruíram um prédio administrativo.

O drone Shahed-136, de fabricação iraniana, foi destruído sobre o Mar Negro por defesas aéreas, disseram autoridades ucranianas.

"Fornecer à Rússia armas para travar uma guerra contra a Ucrânia é um ato hostil que representa um sério golpe nas relações entre a Ucrânia e o Irão", indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

 

EUA ameaçam com mais sanções económicas caso Rússia avance com anexação

Marta Ferreira | há 6 dias

A Casa Branca ameaçou a Rússia com mais sanções económicas - em conjunto com aliados dos EUA - caso o país invasor avance com anexação das quatro regiões da Ucrânia (Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporíjia) que vão a referendo entre hoje e dia 27 de setembro. 

O aviso acontece numa altura em que o secretário de Estado dos EUA acusou a Rússia de estar a realizar "falsos" referendos para conseguir território e escalar a guerra. 

"Sabemos que estes referendos serão manipulados", disse a secretária de imprensa da Casa Branca Karine Jean-Pierre.

G7 diz que "nunca reconhecerá falsos referendos" no leste da Ucrânia

Marta Ferreira | há 6 dias

O G7, um grupo de sete potências mundiais, advertiu hoje que "nunca reconhecerá" o que qualifica de "falsos referendos" organizados pelos independentistas russófonos e Rússia nas regiões que controlam na Ucrânia e pediu à comunidade internacional para "rejeitá-los".

A Rússia "tenta utilizar os falsos referendos para alterar a soberania territorial da Ucrânia", afirmam os líderes do G7 em comunicado divulgado na Alemanha, que exerce a presidência rotativa do grupo.

G7 diz que "nunca reconhecerá falsos referendos" no leste da Ucrânia

O G7, um grupo de sete potências mundiais, advertiu hoje que "nunca reconhecerá" o que qualifica de "falsos referendos" organizados pelos independentistas russófonos e Rússia nas regiões que controlam na Ucrânia e pediu à comunidade internacional para "rejeitá-los".

Lusa | 19:37 - 23/09/2022

Blinken avisa China. Haverá consequências para quem apoiar a Rússia

Marta Ferreira | há 6 dias

O secretário de Estado dos Estados Unidos da América, Antony Blinken, avisou hoje a China sobre qualquer apoio dado à Rússia pela invasão à Ucrânia.

Após ter conversado com o ministro dos Negócios Estrangeiros Wang Yi, Blinken alertou que haverá consequências para a China ou para qualquer país que apoie a invasão russa ou ajude o país invasor a contornar sanções. 

Ameaça nuclear? "A Rússia tem tudo a perder e nada a ganhar"

Marta Ferreira | há 6 dias

O anúncio de referendos sobre a anexação em províncias do leste da Ucrânia e a mobilização parcial de tropas, anunciadas por Moscovo, poderão ser insuficientes para contrariar a recente contraofensiva ucraniana, considera o International Crises Group (ICG).

"[O presidente russo Vladimir] Putin acredita que a promessa de novas forças e a ameaça nuclear podem inverter a vontade da Ucrânia e forçar a um recuo do ocidente, mas esta noção parece exagerada" considera este instituto de reflexão com sede em Bruxelas, vocacionado para a análise de crises globais, numa declaração hoje divulgada.

Ameaça nuclear? "A Rússia tem tudo a perder e nada a ganhar"

O anúncio de referendos sobre a anexação em províncias do leste da Ucrânia e a mobilização parcial de tropas, anunciadas por Moscovo, poderão ser insuficientes para contrariar a recente contraofensiva ucraniana, considera o International Crises Group (ICG).

Lusa | 18:29 - 23/09/2022

União Europeia denuncia "mentiras" da Rússia às Nações Unidas

Marta Ferreira | há 6 dias

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, aproveitou hoje o seu discurso perante a Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU) para denunciar as "mentiras" da Rússia sobre a Ucrânia e o efeito da guerra a nível mundial.

"O Kremlin está a conduzir uma guerra híbrida que combina violência armada com o veneno das mentiras", disse Michel, que acusou Moscovo de usar todo tipo de falsidade para justificar a sua invasão.

Ucrânia. União Europeia denuncia "mentiras" da Rússia às Nações Unidas

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, aproveitou hoje o seu discurso perante a Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU) para denunciar as "mentiras" da Rússia sobre a Ucrânia e o efeito da guerra a nível mundial.

Lusa | 18:35 - 23/09/2022

Kyiv refere-se a 436 corpos em Izium, 30 com "sinais de tortura"

Marta Ferreira | há 6 dias

As autoridades ucranianas indicaram hoje que exumaram 436 cadáveres que estavam enterrados numa floresta perto da cidade de Izium retomada aos russos, com 30 a apresentarem "sinais de tortura", indicou o governador da região de Karkiv (nordeste).

"Um total de 436 corpos foram exumados. A maioria apresenta sinais de morte violenta e 30 apresentam sinais de tortura", indicou Oleg Sinegoubov no Telegram.

Kyiv refere-se a 436 corpos em Izium, 30 com "sinais de tortura"

As autoridades ucranianas indicaram hoje que exumaram 436 cadáveres que estavam enterrados numa floresta perto da cidade de Izium retomada aos russos, com 30 a apresentarem "sinais de tortura", indicou o governador da região de Karkiv (nordeste).

Lusa | 18:37 - 23/09/2022

MNE faz balanço "sombrio" de 77.ª Assembleia-Geral da ONU

Marta Ferreira | há 6 dias

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), João Gomes Cravinho, fez hoje um balanço "sombrio" da 77.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), uma vez que os princípios do multilateralismo foram "violados da forma mais grosseira" pela Rússia.

"O balanço que faço é um balanço sombrio. Nós tivemos aqui uma Assembleia-Geral ensombrada pelo facto de haver um membro permanente do Conselho de Segurança [Rússia] que violou da forma mais grosseira a Carta das Nações Unidas, que é o documento fundacional e, nesse sentido, põe em causa todos os princípios do multilateralismo, que são fundamentais para a grande maioria dos países nesta comunidade internacional", disse o MNE em Nova Iorque.

MNE faz balanço "sombrio" de 77.ª Assembleia-Geral da ONU

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), João Gomes Cravinho, fez hoje um balanço "sombrio" da 77.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), uma vez que os princípios do multilateralismo foram "violados da forma mais grosseira" pela Rússia.

Lusa | 18:43 - 23/09/2022

 

Ucrânia agradece à ONU e a vários países ajuda na troca de prisioneiros

Marta Ferreira | há 6 dias

A presidência da Ucrânia agradeceu hoje à comunidade internacional e às Nações Unidas o envolvimento no processo que permitiu a troca de prisioneiros com a Rússia, que permitiu a libertação de cidadãos ucranianos e estrangeiros.

Durante um 'briefing' sobre a troca de prisioneiros entre a Ucrânia e a Rússia, Andriy Yermak, chefe do gabinete da Presidência ucraniana, salientou o "elevado número de negociações e consultas", que envolveram várias organizações, como a ONU, e diversos países, em particular a Arábia Saudita e a Turquia.

Ucrânia agradece à ONU e a vários países ajuda na troca de prisioneiros

A Presidência da Ucrânia agradeceu hoje à comunidade internacional e às Nações Unidas o envolvimento no processo que permitiu a troca de prisioneiros com a Rússia, que permitiu a libertação de cidadãos ucranianos e estrangeiros.

Lusa | 18:57 - 23/09/2022

MNE mexicano encontra-se com Lavrov para discutir plano de paz

Marta Ferreira | há 6 dias

O ministro dos Negócios Estrangeiros mexicano, Marcelo Ebrard, já se encontrou, esta sexta-feira, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, com Sergey Lavrov, o seu homólogo russo, para discutir o plano de paz proposto pelo México para a guerra na Ucrânia.

Ebrard terá dito na rede social Twitter que teve uma "conversa cordial" e que conseguiu partilhar as ideias do México para o futuro do Conselho das Segurança das Nações Unidas (ONU).

MNE mexicano encontra-se com Lavrov para discutir plano de paz

Os dois representantes tiveram uma "conversa cordial" em Nova Iorque.

Beatriz Cavaca | 19:01 - 23/09/2022

"Não abandonamos os nossos": Russos mostram apoio a referendos

Marta Ferreira | há 6 dias

O partido fundado por Vladimir Putin, All-Russia People's Front, levou, esta sexta-feira, a cabo uma mobilização de apoio aos referendos de anexação de quatro regiões da Ucrânia controladas pelos militares russos.  

As manifestações de apoio estão a decorrer na capital russa, Moscovo, e também em São Petersburgo, com centenas de pessoas a envergar bandeiras com a letra 'Z' - alusiva ao exército russo - e a entoar a frase "nós não abandonamos os nossos". 

Veja as imagens da manifestação em São Petersburgo neste link

Residentes de regiões ocupadas forçados a votar por russos armados

Marta Ferreira | há 6 dias

Soldados russos armados ou polícia local estarão a deslocar-se porta a porta para obrigar os residentes de Zaporíjia (Zaporizhzhia) a votar nos referendos. 

As imagens estão a ser partilhadas pelos meios de comunicação ucranianos e divulgadas também pela Nexta. Até ao momento, nenhuma organização independente conseguiu confirmar a veracidade das mesmas.

Referendos ignorados por residentes em regiões ocupadas na Ucrânia

Marta Ferreira | há 6 dias

As autoridades ucranianas afirmaram hoje que os residentes de regiões ocupadas na Ucrânia, onde começaram esta sexta-feira a ser votados os referendos, estão a ignorar esta decisão. 

Apesar de reconhecerem que, a certa altura, estes residentes serão forçados a votar, as autoridades ucranianas apontam estes não querem fazer parte desta convocatória. 

Referendos ignorados por residentes em regiões ocupadas na Ucrânia

Autoridades ucranianas reconhecem que a população possa vir a ser forçada a votar. Votação começou hoje e decorre até dia 27 de setembro.

Notícias ao Minuto | 18:45 - 23/09/2022

"Referendos não serão reconhecidos por ninguém", garante Cravinho

Marta Ferreira | há 6 dias

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), João Gomes Cravinho, considerou hoje "completamente ilegais" os referendos que a Rússia está a realizar para anexação dos territórios ucranianos ocupados, prevendo que "não serão reconhecidos por ninguém".

"Naturalmente, estes referendos são completamente ilegais e não serão reconhecidos por ninguém. A Rússia já levou a cabo este tipo de estratégia em outros contextos, nomeadamente na Geórgia, mas não haverá nenhum tipo de reconhecimento internacional", disse Cravinho a jornalistas em Nova Iorque, à margem da 77.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU).

Ucrânia. "Referendos não serão reconhecidos por ninguém"

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), João Gomes Cravinho, considerou hoje "completamente ilegais" os referendos que a Rússia está a realizar para anexação dos territórios ucranianos ocupados, prevendo que "não serão reconhecidos por ninguém".

Lusa | 17:27 - 23/09/2022

Portugal pede à China que demova Putin da retórica nuclear

Marta Ferreira | há 6 dias

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), João Gomes Cravinho, disse hoje que pediu à China que utilize a sua influência para demover o Presidente russo, Vladimir Putin, da retórica sobre a utilização de armas de destruição maciça.

Em declarações à imprensa portuguesa em Nova Iorque, onde participou na 77.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), Cravinho indicou que usou o seu encontro de quarta-feira com o conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, para abordar a invasão russa da Ucrânia.

Portugal pede à China que demova Putin da retórica nuclear

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), João Gomes Cravinho, disse hoje que pediu à China que utilize a sua influência para demover o Presidente russo, Vladimir Putin, da retórica sobre a utilização de armas de destruição maciça.

Lusa | 16:58 - 23/09/2022

Tráfego da Rússia para a Finlândia duplicou após anúncio de mobilização

Marta Ferreira | há 6 dias

Centenas de russos estão a tentar fugir à guerra recorrendo à fronteira com Finlândia para abandonar o país. 

De acordo com a Sky News, o tráfego da Rússia para a Finlândia duplicou desde a semana passada, registando-se esse aumento após o anúncio de mobilização feito por Vladimir Putin no dia 21 de setembro, quarta-feira. 

As imagens, que poderá ver na totalidade neste link, mostram longas filas para entrar em Vaalimaa, na Finlândia. 

Notícias ao Minuto

© Getty Images  

Ameaça nuclear russa visa impedir envolvimento da NATO, diz Chatham House

Marta Ferreira | há 6 dias

O 'think tank' Chatham House considera que as ameaças do Presidente russo, Vladimir Putin, de recorrer a armas nucleares visam "incutir medo nos países europeus e impedir que a NATO se envolva diretamente no conflito". 

De acordo com uma análise de duas analistas da Chatham House, a mais recente ameaça de recurso a armas nucleares feita por Putin, esta semana, tem ainda o objetivo de "influenciar o apoio público contra a Ucrânia", incitando o medo desta hipótese.

Ameaça nuclear russa visa impedir envolvimento da NATO, diz Chatham House

O 'think tank' Chatham House considera que as ameaças do Presidente russo, Vladimir Putin, de recorrer a armas nucleares visam "incutir medo nos países europeus e impedir que a NATO se envolva diretamente no conflito".

Lusa | 16:36 - 23/09/2022

Exército ucraniano denuncia ataque de drones iranianos no porto de Odessa

Marta Ferreira | há 6 dias

O Exército ucraniano denunciou a utilização de drones de ataque iranianos ​​para atacar o porto de Odesa, a principal saída para a exportação de cereais ucranianos sob um acordo alcançado em julho com a mediação da Turquia.

Através do Telegram, o comando militar indicou que "Odessa foi atacada por drones Kamikaze provenientes do mar".   

As autoridades dos EUA disseram anteriormente que a Rússia adquiriu drones iranianos. 

Stoltenberg diz que referendos "falsos" serão usados para escalar guerra

Marta Ferreira | há 6 dias

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, Jens Stoltenberg, disse, esta sexta-feira, à CNN que a Rússia poderá estar a preparar referendos "falsos" para alegar que território russo está a ser atacado com armamento da NATO.  

Stoltenberg apela a que o Ocidente esteja preparado para essa manobra russa. “É exatamente para isso que precisamos estar preparados, que a Rússia usará estes votos falsos para aumentar ainda mais a guerra na Ucrânia”, disse o secretário-geral da nato à jornalista Julia Chatterley.

Stoltenberg diz que referendos "falsos" serão usados para escalar guerra

Secretário-geral da NATO alerta que Rússia "usará estes votos falsos para aumentar ainda mais a guerra na Ucrânia”.

Notícias ao Minuto | 16:51 - 23/09/2022

Vítimas da violência no Sudão do Sul sofrem com cortes devido à guerra na

Sara Gouveia | há 6 dias

As Nações Unidas advertiram hoje que a guerra na Ucrânia cortou "drasticamente" o financiamento do apoio médico e psicossocial às vítimas de violência sexual no Sudão do Sul, afirmando que o acesso a estes serviços é "cada vez mais difícil". "É difícil compreender que estamos a ver mulheres que foram violadas em grupo, até cinco vezes, durante os últimos nove anos", lamentou a presidente da Comissão dos Direitos Humanos da ONU no Sudão do Sul, Yasmin Sooka.

"Imagine o que significa ser violado por múltiplos homens armados, recompor-se para o bem dos seus filhos, e voltar a sofrer o mesmo, repetidamente", disse. "Estas mulheres perguntam-nos quando é que isto vai parar. Foi em 2013, 2016, 2018, 2021 e agora em 2022 que elas continuam a contar-nos as suas histórias e nada muda".

Vítimas da violência no Sudão do Sul sofrem com cortes devido à guerra na Ucrânia

As Nações Unidas advertiram hoje que a guerra na Ucrânia cortou "drasticamente" o financiamento do apoio médico e psicossocial às vítimas de violência sexual no Sudão do Sul, afirmando que o acesso a estes serviços é "cada vez mais difícil".

Lusa | 15:54 - 23/09/2022

UE convoca reunião urgente devido a últimos desenvolvimentos na Ucrânia

Sara Gouveia | há 6 dias

A presidência checa do Conselho da União Europeia (UE) convocou para segunda-feira uma reunião urgente dos Estados-membros para discutir os últimos desenvolvimentos da guerra da Ucrânia, após anúncios russos de mobilização e de ameaça nuclear, foi hoje anunciado. Em causa está uma reunião do Mecanismo Integrado de Resposta Política a Situações de Crise (IPCR), estrutura que junta os Estados-membros e as instituições da UE para um processo de tomada de decisão rápido e coordenado ao nível político perante situações de crise graves e complexas.

Numa declaração hoje divulgada a alguns meios europeus, incluindo a agência Lusa, a presidência checa do Conselho da UE indica que "decidiu convocar uma reunião no âmbito do IPCR para segunda-feira de manhã, na qual participarão os representantes permanentes dos Estados-membros na UE".  

UE convoca reunião urgente devido a últimos desenvolvimentos na Ucrânia

A presidência checa do Conselho da União Europeia (UE) convocou para segunda-feira uma reunião urgente dos Estados-membros para discutir os últimos desenvolvimentos da guerra da Ucrânia, após anúncios russos de mobilização e de ameaça nuclear, foi hoje anunciado.

Lusa | 15:51 - 23/09/2022

Líder pró-russo promete referendo na zona "não libertada" de Zaporíjia

Sara Gouveia | há 6 dias

Um líder pró-russo admitiu hoje o controlo de menos de 75 por cento da região ucraniana de Zaporíjia e prometeu que os residentes na zona dominada por Kyiv também serão consultados sobre a integração na Rússia.

"Quando libertarmos o resto [da região de Zaporíjia], haverá também um referendo para que as pessoas não sintam que o futuro da sua terra natal foi decidido sem elas", disse o presidente do movimento "Estamos juntos com a Rússia", Vladimir Rogov, à agência russa TASS.

Rogov disse que a decisão a ser tomada pelo povo de Zaporíjia no referendo abrange especificamente 73% do território.

Líder pró-russo promete referendo na zona "não libertada" de Zaporíjia

Um líder pró-russo admitiu hoje o controlo de menos de 75 por cento da região ucraniana de Zaporíjia e prometeu que os residentes na zona dominada por Kyiv também serão consultados sobre a integração na Rússia.

Lusa | 15:44 - 23/09/2022

Kyiv reivindica novo avanço territorial no leste

Sara Gouveia | há 6 dias

A Ucrânia reivindicou hoje ter retomado às forças independentistas russófonas e ao exército russo uma localidade na região de Donetsk, leste da Ucrânia, quando Moscovo organiza referendos de anexação em diversas regiões da Ucrânia que escapam ao controlo de Kyiv.

"Os ucranianos também reimpuseram o seu controlo dm posições a sul de Bakhmut", uma cidade estratégica na região de Donetsk e desde há semana submetida a ataques das forças separatistas russófonas e do exército russo, precisou Gromov.

Ucrânia. Kyiv reivindica novo avanço territorial no leste

A Ucrânia reivindicou hoje ter retomado às forças independentistas russófonas e ao exército russo uma localidade na região de Donetsk, leste da Ucrânia, quando Moscovo organiza referendos de anexação em diversas regiões da Ucrânia que escapam ao controlo de Kyiv.

Lusa | 15:20 - 23/09/2022

Mobilização envolve "centenas de milhares de pessoas no crime de Putin"

Sara Gouveia | há 6 dias

O opositor russo Alexei Navalny afirmou, esta sexta-feira, que a mobilização parcial anunciada na quarta-feira pelo presidente da Rússia significa o “envolvimento de centenas de milhares de pessoas no crime” que Vladimir Putin está a “cometer”. Os advogados do político, que se encontra preso na Rússia, publicaram um vídeo da mais recente visita judicial, onde Navalny revela que foi (novamente) transferido para a cela solitária e que, desta vez, “ninguém está a esconder o contexto político” da transferência.

Segundo Navalny, as autoridades russas querem privá-lo do seu “direito de falar contra a mobilização criminosa” que “fará dezenas de milhares de famílias perderem um filho, um irmão, um pai” e do seu “direito de falar contra” o envio de centenas de milhares de russos para “matar inocentes”. 

Mobilização envolve "centenas de milhares de pessoas no crime de Putin"

Opositor russo Alexei Navalny diz que as autoridades querem privá-lo do seu “direito de falar contra a mobilização criminosa” que “fará dezenas de milhares de famílias perderem um filho, um irmão, um pai”.

Márcia Guímaro Rodrigues | 15:08 - 23/09/2022

"Todos os homens terão a oportunidade de provar que têm sangue russo"

Sara Gouveia | há 6 dias

Vitaly Milonov, deputado do parlamento russo e membro do partido de Vladimir Putin, 'Rússia Unida', enumerou, esta semana, na televisão do estatal russa, os "benefícios" em combater na guerra da Ucrânia. De acordo com o jornalista da BBC Francis Scarr, que traduziu as declarações do parlamentar, ao irem para a guerra, os soldados russos "vão pagar os empréstimos mais cedo, porque o salário é mais do que decente".

Além disso, ao alistarem-se, declarou Vitaly Milonov, "provam que são homens", não só porque terão "oportunidade de usar as suas características sexuais primárias, como também a nível fundamental". "Todos os homens terão a oportunidade de provarem que são homens, que têm sangue russo. O presidente deu-lhes essa oportunidade", acrescentou.

"Todos os homens terão a oportunidade de provar que têm sangue russo"

Deputado russo do partido de Putin garante que soldados têm vários "benefícios" por combaterem na guerra da Ucrânia.

Notícias ao Minuto | 15:01 - 23/09/2022

Embaixadora diz que resultados dos referendos não serão reconhecidos

Sara Gouveia | há 6 dias

A embaixadora da Ucrânia em Portugal, Inna Ohnivets, classificou hoje como "uma provocação" os "referendos" que a Rússia está a realizar para anexação dos territórios ucranianos ocupados e garantiu que o seu país não vai reconhecer os resultados. Em declarações aos jornalistas em Braga, à margem de uma iniciativa de solidariedade com a cidade ucraniana de Ivano-Frankivsk, Inna Ohnivets disse ainda esperar que "todo o mundo democrático" também não reconheça os resultados dos referendos.

"Consideramos a realização [dos referendos] como uma provocação e uma violação da legislação ucraniana e claro que não vamos reconhecer os resultados destes referendos. Espero que todo o mundo democrático também não reconheça", afirmou.

A embaixadora considerou ainda que a anunciada mobilização de 300 mil reservistas russos para a guerra não vai impedir a vitória do seu país. A Ucrânia conseguirá a vitória graças ao "armamento moderno fornecido pelos países ocidentais".

Mobilização? "Fazer face às perdas sofridas, embora Putin não admita"

Sara Gouveia | há 6 dias

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, João Gomes Cravinho, menorizou as intenções russas com o anúncio de mobilização militar parcial, indicando que, para já, não acreditam "que esta medida tenha grande eficácia militar".

"Há uma determinação coletiva de que não podemos sucumbir às tentativas de intimidação por parte da Rússia, pelo contrário, aquilo que nos temos de fazer enquanto NATO é cerrar fileiras, continuar a dar apoio aos estados que têm fronteira com a Rússia", disse esta sexta-feira João Gomes Cravinho aos jornalistas, no rescaldo de um encontro informal dos parceiros transatlânticos, promovido pelo chefe da diplomacia norte-americana Anthony Blinken.

Os aliados, que contaram com a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, debruçaram-se sobre a escalada da guerra na Ucrânia, proporcionada pela Rússia, depois do anúncio da mobilização militar parcial, na quarta-feira.

Russos incendeiam postos de recrutamento após mobilização de reservistas

Sara Gouveia | há 6 dias

Vários centros de recrutamento militar na Rússia foram atacados com 'cocktails' Molotov desde o início da mobilização parcial decretada pelo Presidente russo Vladimir Putin, de acordo com relatos de hoje dos 'media' locais.

Como resultado de um dos ataques a um posto de alistamento na cidade de Khabarovsk, na parte oriental da Rússia, duas casas foram incendiadas, embora não tenha havido feridos. Na região de Amur, na fronteira com a China, assaltantes desconhecidos também tentaram incendiar um posto de alistamento, num ataque que danificou a fachada do edifício.

Serão mobilizados soldados e sargentos com menos de 35 anos e oficiais com menos de 55 anos, mas não os estudantes.

Russos incendeiam postos de recrutamento após mobilização de reservistas

Vários centros de recrutamento militar na Rússia foram atacados com 'cocktails' Molotov desde o início da mobilização parcial decretada pelo Presidente russo Vladimir Putin, de acordo com relatos de hoje dos 'media' locais.

Lusa | 14:27 - 23/09/2022

Rússia adverte contra tentativas de reconquista de regiões integradas

Sara Gouveia | há 6 dias

A Rússia advertiu hoje que considerará como um ataque à sua integridade territorial qualquer tentativa de reconquista das regiões ucranianas que optarem pela integração na Federação Russa. O aviso foi feito pelo porta-voz do Kremlin (Presidência), Dmitri Peskov, no dia em que começou a votação nas regiões controladas pelas forças russas em Donetsk e Lugansk, no Donbass, e Kherson e Zaporíjia.

Questionado no encontro diário com a imprensa sobre se eventuais tentativas da Ucrânia de reconquistar os territórios anexados serão consideradas como ataques à Rússia, Peskov foi perentório: "absolutamente", respondeu, segundo a agência oficial TASS.

Rússia adverte contra tentativas de reconquista de regiões integradas

A Rússia advertiu hoje que considerará como um ataque à sua integridade territorial qualquer tentativa de reconquista das regiões ucranianas que optarem pela integração na Federação Russa.

Lusa | 14:06 - 23/09/2022

Após polémica, Berlusconi defende-se. Invasão russa é "injustificável"

Sara Gouveia | há 6 dias

Silvio Berlusconi, antigo primeiro-ministro de Itália e líder do partido de centro-direita Força Itália (FI), defendeu-se, esta sexta-feira, da polémica em que está envolvido após considerar que o presidente russo, Vladimir Putin, foi “empurrado” para a guerra na Ucrânia. Na rede social Facebook, garantiu: “A agressão à Ucrânia é injustificável e inaceitável”.

“Putin foi pressionado pela população russa, pelo seu partido e pelos seus ministros para inventar esta operação especial”, disse o político italiano numa entrevista, na quinta-feira, acrescentando que os separatistas da região ucraniana do Donbass foram a Moscovo dizer aos media que os ataques na Ucrânia tinham feito 16 mil mortes e acusar Putin e não fazer nada para os defender.

Já hoje, Berlusconi defendeu que “bastava ver a entrevista toda” - e “não apenas uma frase extrapolada, sintética por razões de tempo” - para “entender” qual é a sua posição em relação à guerra, “que é conhecida há muito tempo”. “Talvez tenha sido mal compreendido”, afirmou.

Após polémica, Berlusconi defende-se. Invasão russa é "injustificável"

O ex-primeiro-ministro italiano afirmou, ontem, que o presidente russo, Vladimir Putin, foi “empurrado” para a guerra na Ucrânia.

Márcia Guímaro Rodrigues | 13:18 - 23/09/2022

Rússia justifica voto sobre integração com direito à autodeterminação

Sara Gouveia | há 6 dias

O presidente do parlamento russo (Duma), Vyacheslav Volodin, justificou hoje os referendos sobre a integração na Rússia a decorrer em regiões ucranianas com o direito à autodeterminação dos povos inscrito na Carta das Nações Unidas.

Os residentes das áreas da Ucrânia em causa "têm o direito à autodeterminação, que está consagrado na Carta das Nações Unidas", disse Volodin numa mensagem na rede social Telegram. Volodin referia-se às populações de Donetsk e Lugansk, no Donbass, e de Kherson e Zaporíjia, parcialmente sob controlo russo, onde se iniciou hoje uma consulta sobre a integração na Rússia, em referendos considerados ilegais pela Ucrânia e pela comunidade internacional.

Rússia justifica voto sobre integração com direito à autodeterminação

O presidente do parlamento russo (Duma), Vyacheslav Volodin, justificou hoje os referendos sobre a integração na Rússia a decorrer em regiões ucranianas com o direito à autodeterminação dos povos inscrito na Carta das Nações Unidas.

Lusa | 13:14 - 23/09/2022

MNE chinês diz a Kuleba que Pequim respeita soberania de todos os países

Sara Gouveia | há 6 dias

O ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, garantiu, esta quinta-feira, ao homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba, que Pequim pediu respeito pela "soberania e integridade territorial" de todos os países, de acordo com a imprensa estatal chinesa. Os dois homens encontraram-se à margem da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque. Tratou-se da sua primeira reunião pública desde o início da intervenção militar russa, no final de fevereiro.

O encontro, suscetível de incomodar o Kremlin, surge numa altura em que a Rússia está a organizar referendos nas regiões da Ucrânia controladas total ou parcialmente por Moscovo. Estes referendos, descritos como "simulacros" por Kyiv e pelos países ocidentais, marcam uma escalada do conflito.

MNE chinês diz a Kuleba que Pequim respeita soberania de todos os países

O ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, garantiu, esta quinta-feira, ao homólogo ucraniano, Dmytro Kouleba, que Pequim pediu respeito pela "soberania e integridade territorial" de todos os países, de acordo com a imprensa estatal chinesa.

Lusa | 13:05 - 23/09/2022

Rússia isenta quadros de empresas vitais da mobilização para a guerra

Sara Gouveia | há 6 dias

A Rússia isentou da mobilização parcial para combater na Ucrânia funcionários com "educação superior" das áreas das tecnologias da informação, telecomunicações e sistema financeiro, anunciou hoje o Ministério da Defesa russo.

"A fim de assegurar o funcionamento de certas indústrias de alta tecnologia, bem como o sistema financeiro da Federação Russa, foi tomada a decisão de não se alistar (...) cidadãos com educação superior nas especialidades e áreas de formação relevantes", disse o ministério num comunicado divulgado na íntegra pela agência oficial russa TASS.

Rússia isenta quadros de empresas vitais da mobilização para a guerra

A Rússia isentou da mobilização parcial para combater na Ucrânia funcionários com "educação superior" das áreas das tecnologias da informação, telecomunicações e sistema financeiro, anunciou hoje o Ministério da Defesa russo.

Lusa | 11:56 - 23/09/2022

Lukashenko descarta mobilização militar na Bielorrússia

Sara Gouveia | há 6 dias

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, descartou hoje a mobilização militar no país, ao contrário do que aconteceu na Rússia, assegurando que Minsk "não tem a intenção de participar em guerras". 

"Não vai haver nenhuma mobilização. Isso é mentira", disse Lukashenko, citado hoje pelo canal governamental Pul Pervogo difundido através da rede digital de mensagens Telegram. Pouco depois, a agência estatal de notícias Belta, divulgou outra declaração do chefe de Estado em que Lukashenko reitera que a Bielorrússia "não vai participar em qualquer guerra".

"Iremos combater apenas quando for preciso defender os nossos lares e a nossa terra", acrescentou. 

Lukashenko descarta mobilização militar na Bielorrússia

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, descartou hoje a mobilização militar no país, ao contrário do que aconteceu na Rússia, assegurando que Minsk "não tem a intenção de participar em guerras". 

Lusa | 11:39 - 23/09/2022

ONU concluiu que "foram cometidos crimes de guerra na Ucrânia"

Sara Gouveia | há 6 dias

A comissão de investigação da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Ucrânia revelou, esta sexta-feira, existirem "evidências" de que foram cometidos "crimes de guerra" no país desde a invasão russa, há quase sete meses.

"Com base nas evidências reunidas pela comissão, concluiu-se que crimes de guerra foram cometidos na Ucrânia", revelou Erik Mose, que lidera a investigação sobre violações dos direitos humanos na Ucrânia, citado pela agência de notícias Associated Press (AP).

A equipa de peritos, enviada para a Ucrânia pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, concentrou-se em quatro regiões: Kyiv, Chernihiv, Kharkiv e Sumy.

ONU concluiu que "crimes de guerra foram cometidos na Ucrânia"

O líder da comissão de investigação da ONU citou testemunhos de antigos prisioneiros sobre espancamentos, choques elétricos e nudez forçada em instalações de detenção russas.

Notícias ao Minuto | 11:14 - 23/09/2022

Cazaquistão confirma aumento de entradas de russos após mobilização

Sara Gouveia | há 6 dias

 O serviço de fronteiras do Cazaquistão confirmou hoje que o número de russos a entrar no país aumentou após a mobilização parcial de reservistas para a Ucrânia decretada na quarta-feira pelo presidente russo, Vladimir Putin.

"Atualmente, há um aumento do número de cidadãos estrangeiros que entram na República do Cazaquistão pela fronteira cazaque-russa", anunciou a agência do Comité de Segurança Nacional daquele país da Ásia Central, em comunicado.

Cazaquistão confirma aumento de entradas de russos após mobilização

O serviço de fronteiras do Cazaquistão confirmou hoje que o número de russos a entrar no país aumentou após a mobilização parcial de reservistas para a Ucrânia decretada na quarta-feira pelo Presidente russo, Vladimir Putin.

Lusa | 10:17 - 23/09/2022

Milhares de russos continuam a tentar fugir para a Finlândia

Sara Gouveia | há 6 dias

Milhares de russos continuam a tentar fugir da Rússia pela fronteira terrestre com a Finlândia, esta sexta-feira. O tráfego para a Finlândia através da fronteira sudeste está "bastante movimentado" esta sexta-feira, segundo noticia a Reuters citando um porta-voz da guarda fronteiriça finlandesa.

O mesmo porta-voz dá conta de que o número de russos que entraram na quinta-feira foi mais do dobro dos que chegaram na semana anterior. "Esta manhã continua muito movimentada, talvez com mais movimento do que ontem", referiu.

Cerca de 7 mil pessoas entraram na Finlândia vindas da Rússia na quinta-feira, 6 mil delas de nacionalidade russa, o que significa um aumento de 107% em comparação com o mesmo dia da semana anterior, acrescenta.

Milhares de russos continuam a tentar fugir para a Finlândia

O número de russos que entraram na quinta-feira foi mais do dobro dos que chegaram na semana anterior.

Notícias ao Minuto | 10:22 - 23/09/2022

"Isto pode ser o princípio do fim de Putin", diz Alexander Stubb

Sara Gouveia | há 6 dias

O ex-primeiro-ministro finlandês e atual diretor do Instituto Universitário Europeu (EUI) Alexander Stubb considerou que situação na Rússia é imprevisível, que se deve estar preparado para o pior e que pode até ser o fim de Putin.

"Não quero prever nada, mas isto pode ser o principio do fim para Putin. O seu discurso [sobre a mobilização parcial na Rússia] foi de desespero, ele está encurralado e por isso é uma situação perigosa", disse numa entrevista à Lusa, em que também abordou o papel dos meios de comunicação social.

"Isto pode ser o princípio do fim de Putin", diz Alexander Stubb

O ex-primeiro-ministro finlandês e atual diretor do Instituto Universitário Europeu (EUI) Alexander Stubb considerou que situação na Rússia é imprevisível, que se deve estar preparado para o pior e que pode até ser o fim de Putin.

Lusa | 09:16 - 23/09/2022

Austrália pede à China que use influência para acabar com invasão russa

Sara Gouveia | há 6 dias

A Austrália pediu hoje à China que use o bom relacionamento que tem com a Rússia para acabar com a invasão "ilegal" da Ucrânia, durante uma reunião entre os ministros dos Negócios Estrangeiros dos dois países.

"Pedimos à China, como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com uma responsabilidade especial, que defenda a Carta da ONU e use a sua influência para acabar com a guerra", disse a ministra dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Penny Wong, ao homólogo chinês, Wang Yi, segundo uma mensagem difundida após o encontro.

Austrália pede à China que use influência para acabar com invasão russa

A Austrália pediu hoje à China que use o bom relacionamento que tem com a Rússia para acabar com a invasão "ilegal" da Ucrânia, durante uma reunião entre os ministros dos Negócios Estrangeiros dos dois países.

Lusa | 07:59 - 23/09/2022

Referendos de adesão à Rússia de territórios ocupados começam hoje

Sara Gouveia | há 6 dias

Os referendos sobre a adesão dos territórios ucranianos de Donetsk, Lugansk, Zaporijia e Kherson à Federação russa começam hoje e decorrem até 27 de setembro, indicaram as autoridades pró-russas dessas regiões.

Os parlamentos das autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, reconhecidas pelo Kremlin a 21 de fevereiro passado, convocaram um referendo de integração na Rússia entre hoje e 27 de setembro, ao qual se juntaram as regiões de Kherson e Zaporíjia, parcialmente sob domínio russo.

Referendos de adesão à Rússia de territórios ocupados começam hoje

Os referendos sobre a adesão dos territórios ucranianos de Donetsk, Lugansk, Zaporijia e Kherson à Federação russa começam hoje e decorrem até 27 de setembro, indicaram as autoridades pró-russas dessas regiões.

Lusa | 06:17 - 23/09/2022

Para recordar

Sara Gouveia | há 6 dias
  • Kyiv anuncia troca de 215 prisioneiros de guerra com Rússia. A Ucrânia anunciou na quarta-feira a troca com a Rússia de 215 soldados, entre os quais os chefes da defesa da siderurgia de Azovstal, em Mariupol, que se tornou num símbolo de resistência à invasão russa.
  • Mais de 1.380 pessoas detidas em protestos na Rússia contra mobilização. Pelo menos 1.386 pessoas foram detidas na Rússia nos protestos realizados na quarta-feira contra a mobilização parcial de cidadãos decretada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, para combaterem na guerra na Ucrânia, declarou hoje uma organização não-governamental (ONG).
  • NATO denuncia "com a maior firmeza" os "pretensos referendos" na Ucrânia. O Conselho do Atlântico Norte da NATO emitiu hoje uma declaração onde condena "com a maior firmeza" o projeto de "pretensos" referendos nas regiões separatistas do leste da Ucrânia ou nas "regiões em parte controladas" pelo exército russo.
  • Zelensky. Protestos russos? "Protestem! Lutem! Fujam! Ou então rendam-se". Na sua habitual comunicação noturna, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky começou por referir que "a decisão da Rússia sobre a mobilização é uma constatação de que o seu exército regular, que está preparado há décadas para conquistar um país estrangeiro, não resistiu e desmoronou". Por isso, a guerra "entrou em todos os lares russos". "Querem mais? Não? Então protestem! Lutem! Fujam! Ou rendam-se ao cativeiro ucraniano. São as únicas opções para sobreviverem", referiu.
  • Costa na ONU e em português. "Rússia deve cessar hostilidades e dialogar". O primeiro-ministro, António Costa, discursou, esta quinta-feira, no debate geral da 77.ª sessão da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Em português, assinalou que "a Rússia deve cessar as hostilidades" e "permitir a criação de um diálogo sério e sustentado, orientado para o cessar-fogo e para a paz", acrescentando que este "não é o tempo de a Rússia escalar o conflito ou fazer irresponsáveis ameaças de recurso a armas nucleares". 

Bom dia

Sara Gouveia | há 6 dias

Bom dia.

Damos início a mais um acompanhamento AO MINUTO dos últimos acontecimentos relacionados com a guerra na Ucrânia. Poderá recordar o registo de quinta-feira no link abaixo:

AO MINUTO: "Não é tempo de a Rússia escalar conflito"; Referendos prontos

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia.

Notícias ao Minuto | 07:35 - 22/09/2022

 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório