Meteorologia

  • 08 FEVEREIRO 2023
Tempo
10º
MIN 6º MÁX 12º

Ouvir coração do feto antes de abortar? "Apenas para atormentar mulheres"

O diploma no qual está previsto este passo do procedimento entrou em vigor na Hungria.

Ouvir coração do feto antes de abortar? "Apenas para atormentar mulheres"
Notícias ao Minuto

20:00 - 15/09/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Hungria

Um novo diploma que obriga as mulheres a ouvir o coração do feto antes de abortarem na Hungria entrou, esta quinta-feira, em vigor.

A medida tem vindo a criar alarme social não só no país, como também a nível internacional, já que a medida é tomada sob um um governo conservador, e vista como uma forma dificultar o acesso ao aborto. 

"Acho que não vai fazer alguém mudar de ideias sobre a decisão de abortar, por isso isto é apenas desnecessário e para atormentar as mulheres", considerou Borbala Jonas, uma mulher entrevistada pela Reuters em Budapeste.

No país,  o aborto é permitido em casos de violação, risco para a saúde da mãe, um problema com o feto ou em caso de crise grave pessoal.

"O maior maior medo é que eles [governo húngaro] estejam a tirar-nos os direitos passo a passo", explicou outra mulher à mesma agência. "Acho que este é o primeiro passo e que a partir daqui vão até ao limite", acrescentou.

"Dificultar o acesso ao aborto não leva a uma diminuição do número de abortos"

O projeto-de-lei não foi justificado pelo governo, mas os analistas pensam que pode estar em causa a tentativa de mobilizar mais votos, uma vez que o partido de extrema-direita 'Our Homeland' ganhou, em abril passado, assento parlamentar pela primeira vez. Uma das deputadas deste partido chegou mesmo a dizer que apesar do decréscimo, as interrupções da gravidez ainda eram realizadas em grande número. O ano passado a Hungria registou cerca de 22  mil abortos - em 1990, registava cerca de 90 mil.

A deputada defendeu a sua posição no parlamento húngaro enquanto agarrava uma réplica de um feto de dez semanas. "Isto é necessário porque a quinta criança concebida na Hungria ainda é vítima de abprto e isto é um número muito alto", afirmou.

Já a porta-voz do grupo de direitos das mulheres Patent defendeu que a lei não deveria fazer diminuir o número de abortos, mas que pode ser o início de um futuro onde as leis vão 'apertar'.

"Dificultar o acesso ao aborto não leva a uma diminuição do número de abortos", afirmou Julia Spronz. "Apenas serve o propósito de induzir a culpa nas mulheres para que elas se sintam ainda piores e quase como pecadoras", defendeu.

Também nos Estados Unidos o acesso a este procedimento esta a tornar-se mais restrito, depois de uma mudança na lei Roe vs. Wade. 

Cerca de três meses depois de esta lei ser revertida, o assunto continua em cima da mesa e mesmo esta semana um senador republicano propôs proibir o aborto em todo o país.

Leia Também: Eleições. 7 em cada 10 brasileiros temem agressões por razões políticas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório