Meteorologia

  • 13 JUNHO 2024
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Polícia matou 19 pessoas na tentativa de entrada de quartel em Madagáscar

A polícia de Madagáscar confirmou hoje que matou na segunda-feira 19 pessoas quando uma multidão tentou entrar no seu quartel para fazer justiça com as próprias mãos na sequência do desaparecimento de uma criança albina, segundo a corporação.

Polícia matou 19 pessoas na tentativa de entrada de quartel em Madagáscar
Notícias ao Minuto

13:36 - 30/08/22 por Lusa

Mundo Madagáscar

"Dezanove pessoas perderam a vida e 21 feridos ainda estão a receber tratamento" no hospital de Ikongo, uma cidade no sudeste da ilha onde ocorreram os confrontos, afirma-se num comunicado, em que se acrescenta estar em curso uma investigação.

O médico chefe do hospital local, Tango Oscar Toky, confirmou à imprensa o número de mortos.

A polícia, que garante o regresso à normalidade, tinha anunciado na segunda-feira um primeiro balanço de 14 mortos e 28 feridos.

Hoje de manhã, o hospital local ainda aguardava a chegada de feridos que precisam de ser transportados para outras unidades de saúde, segundo o médico chefe, devido a ferimentos graves.

Desde a semana passada, a cidade de Ikongo, nas montanhas e a cerca de 350 quilómetros da capital, Antananarivo, está em estado de choque: uma criança, albina, desapareceu e as autoridades suspeitam de sequestro.

Na grande ilha do oceano Índico, as pessoas albinas são regularmente alvo de violência. Mais de 12 sequestros, ataques e assassínios de albinos foram relatados nos últimos dois anos, de acordo com as Nações Unidas.

Após o desaparecimento da criança, quatro suspeitos foram detidos pela polícia e colocados em detenção no quartel de Ikongo.

Mas os moradores furiosos queriam fazer justiça com as próprias mãos, tendo uma multidão se dirigido na segunda-feira ao quartel e exigiram que os suspeitos lhes fossem entregues, disse Jean Brunelle Razafintsiandraofa, deputado do distrito, citado pela AFP.

Segundo relatos de uma fonte da polícia à AFP, pelo menos 500 pessoas, algumas armadas com "armas brancas" e "catanas", concentraram-se defronte do quartel.

"Houve negociações, insistiram os aldeões", adiantou a mesma fonte. Os polícias decidiram então lançar bombas de fumo para dispersar a multidão e dispararam alguns tiros para o ar.

Porém, como os moradores continuaram a tentar forçar a entrada no quartel e a mesma fonte sublinhou: "Não tivemos escolha a não ser nos defendermos".

A polícia de Madagáscar é regularmente acusada pela sociedade civil da prática de violações dos direitos humanos, que raramente são alvo de processos.

Leia Também: Madagáscar. Polícia abre fogo contra civis e deixa 14 mortos e 28 feridos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório