Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 24º

Novo vírus? ECDC monitoriza mas alega que risco é "muito baixo" na Europa

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) informou hoje estar a monitorizar a presença na Europa do vírus recém-identificado na China, Langya henipavírus, vincando que o risco de infeção para os europeus é "muito baixo".

Novo vírus? ECDC monitoriza mas alega que risco é "muito baixo" na Europa
Notícias ao Minuto

12:19 - 12/08/22 por Lusa

Mundo Langya

"Como parte das suas atividades de inteligência epidémica, o ECDC está a monitorizar a ocorrência de infeções com agentes patogénicos humanos emergentes, incluindo vírus do género henipavírus", informa a agência europeia de aconselhamento aos países numa informação hoje divulgada, quando o Langya henipavírus (LayV) já conta com 35 infetados na China.

Na posição, o ECDC salienta que, "com base na informação limitada atualmente disponível, o risco para cidadãos da UE que visitam ou residem nas províncias de Shandong e Henan da China, onde o vírus foi notificado, é considerado muito baixo".

"Do mesmo modo, o risco de infeção para os cidadãos da UE na Europa é considerado muito baixo", sublinha.

O vírus recém-identificado na China, o LayV, infetou 35 pessoas, cujos sintomas se manifestaram entre 2018 e 2021, segundo um estudo publicado no início de agosto.

O estudo foi divulgado na publicação médica The New England Journal of Medicine e é assinado por investigadores da China, Singapura e Austrália, que recrutaram pessoas com suspeitas de doenças zoonóticas em hospitais chineses, entre abril de 2018 e agosto de 2021.

Os casos de infeção (26) e coinfeção (9) com LayV, vírus do género dos henipavírus, foram diagnosticados nas províncias chinesas de Shandong e Henan a partir de um primeiro paciente do qual foram recolhidas secreções da garganta para análise. Posteriormente, foram analisadas amostras de sangue.

As 26 pessoas infetadas apenas com o vírus LayV (e não com outros vírus em simultâneo) apresentavam como sintomas febre, fadiga, tosse, anorexia, dores de cabeça e musculares, náuseas ou vómitos, acompanhados, em alguns casos, por alterações na função dos rins e do fígado ou na produção de células sanguíneas. A maioria das pessoas eram agricultores e mulheres e tinham 45 ou mais anos.

O estudo sugere que o musaranho (pequeno roedor parecido com um rato) pode ser o reservatório natural do vírus e que a infeção nos humanos pode ser esporádica, uma vez que não houve contacto próximo ou histórico de exposição comum entre os doentes.

Os autores do trabalho consideram que a descoberta feita, a de um novo henipavírus com provável origem animal e ligado a estado febril nas pessoas, "merece uma investigação adicional para compreender melhor a doença humana associada".

O reduzido número de amostras estudadas não permitiu aos cientistas determinarem se há transmissão do LayV entre humanos.

O vírus LayV está mais relacionado, do ponto de vista filogenético, com o henipavírus Mojiang, que foi descoberto no sul da China.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde indicou à Lusa estar em articulação com as autoridades de saúde internacionais, aguardando mais informação da Organização Mundial da Saúde sobre eventuais medidas a tomar.

Leia Também: Vírus recém-identificado na China infetou 35 pessoas entre 2018 e 2021

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório