Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 26º

Ex-líder do partido do Presidente da RDCongo na oposição detido

O ex-líder do partido do Presidente da República Democrática do Congo (RDCongo), que recentemente passou para a oposição, foi detido hoje em Kinshasa no âmbito de um processo por desrespeito ao chefe de Estado.

Ex-líder do partido do Presidente da RDCongo na oposição detido
Notícias ao Minuto

20:09 - 09/08/22 por Lusa

Mundo RDCongo

Deputado e ex-vice-presidente da Assembleia Nacional, "Jean-Marc Kabund foi colocado, sob mandado de prisão provisória", no estabelecimento prisional de Makala, na capital, após interrogatório, disse um procurador à agência France-Presse junto ao Tribunal de Cassação.

De acordo com a acusação, consultada pela agência noticiosa, Kabund está a ser processado por "desrespeito ao chefe de Estado, acusações lesivas e difamação".

Eleito por Kinshasa, Jean-Marc Kabund foi para a oposição em julho, depois de ter sido expulso do partido presidencial, a União para a Democracia e o Progresso Social (UDPS), e de ter renunciado ao cargo de primeiro vice-presidente da Assembleia Nacional congolesa.

Ao anunciar a criação de seu próprio partido político, "Aliança para a Mudança", Kabund criticou "a ausência de uma visão clara", "incompetência notória e má gestão institucionalizada caracterizada por imprudência, irresponsabilidade, uso indevido de bens públicos no topo do Estado", pelo 'staff' do Ppresidente Félix Tshisekedi.

"Quando falo em peculato (...) são centenas e centenas de milhões de dólares, colocados em paraísos fiscais, colocados em multinacionais, é dinheiro vivo saindo do país em jatos particulares", afirmou em entrevista à rádio francesa RFI.

Kabund também teve palavras duras contra as câmaras do parlamento. Sob Tshisekedi, "o parlamento (tornou-se) um lugar para tratar de assuntos irrelevantes e de teatro de palhaços políticos", afirmou.

A sua detenção ocorreu quando o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, visita Kinshasa, onde terá um encontro com o Presidente Tshisekedi.

Na RDCongo, as vozes levantam-se cada vez mais para denunciar as prisões de opositores no país.

Blinken "deve denunciar a crescente repressão a ativistas, manifestantes e jornalistas, e alertar contra a crescente intolerância à crítica", disse o ativista Floribert Anzuluni, do movimento pró-democracia Filimbi.

Para Anzuluni, esta tendência do regime no poder desde janeiro de 2019 na RDCongo "arrisca-se a comprometer a realização de eleições livres, credíveis e atempadas em 2023".

Leia Também: EUA "preocupados" com apoio do Ruanda a rebeldes na RDCongo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório