Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Estados Unidos querem uma "verdadeira parceria" com África, diz Blinken

Os Estados Unidos querem uma "verdadeira parceria" com África, declarou hoje em Pretória o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, sublinhando a aposta de Washington em "ultrapassar" a influência de outras potências mundiais no continente.

Estados Unidos querem uma "verdadeira parceria" com África, diz Blinken
Notícias ao Minuto

16:43 - 08/08/22 por Lusa

Mundo EUA

"O que procuramos é uma verdadeira parceria entre os Estados Unidos e África. Não queremos uma relação desequilibrada ou transacional", afirmou Blinken numa conferência de imprensa partilhada com a sua homóloga sul-africana, Naledi Pandor.

Blinken chegou à África do Sul na madrugada de domingo, para o início da sua segunda viagem oficial a África, que o levará em seguida à República Democrática do Congo (RDCongo) e ao Ruanda.

Blinken irá ainda delinear a visão estratégica de Washington para o continente num discurso na Universidade de Pretória, esta tarde, mas os detalhes do documento foram já divulgados.

Os Estados Unidos revelaram hoje o documento-quadro da política norte-americana da administração de Joe Biden para a África subsaariana, onde pretendem contrariar a presença russa e chinesa e desenvolver abordagens não-militares contra o terrorismo.

A nova estratégia, que reconhece a crescente importância demográfica de África, o seu peso nas Nações Unidas e os seus imensos recursos naturais e oportunidades, responde a críticas crescentes segundo as quais a acentuação da política externa norte-americana numa postura militar de luta contra os movimentos extremistas em África não tem produzido os resultados esperados.

"Os Estados Unidos têm um forte interesse em assegurar que a região se mantenha aberta e acessível a todos, e que os governos e as pessoas possam fazer as suas próprias escolhas políticas (...). As sociedades abertas são geralmente mais suscetíveis de trabalhar com os Estados Unidos, atrair mais comércio e investimento dos EUA (...) e contrariar as atividades prejudiciais da República Popular da China, Rússia, e de outros atores estrangeiros", sustenta o novo documento.

Intitulado "Estratégia dos Estados Unidos para a África Subsaariana", o documento detalha quatro objetivos quinquenais: fomentar sociedades abertas; proporcionar dividendos democráticos e de segurança; trabalhar na recuperação da pandemia e na oportunidade económica; apoiar a preservação e adaptação climática e uma transição energética justa.

África tem exercido um papel secundário na política externa dos Estados Unidos, registo que a nova administração norte-americana espera mudar e começar a concretizar numa cimeira Estados Unidos-África, agendada para 13 de dezembro em Washington.

O documento expressa ainda várias queixas da Casa Branca contra as políticas desenvolvidas por Pequim e Moscovo em África.

Sugere que Pequim está a utilizar o continente como uma "arena para desafiar as regras da ordem internacional, fazer avançar os seus interesses comerciais e geopolíticos estreitos (...) e enfraquecer as relações dos Estados Unidos com os povos e governos africanos".

Quanto à Rússia, Washington afirma que Moscovo "vê a região como um ambiente permissivo para as empresas paraestatais e militares privadas, criando frequentemente instabilidade com o objetivo de retirar vantagens estratégicas e financeiras", segundo o documento, que acusa ainda a Rússia de fazer uso da "desinformação".

A referência ao papel dos mercenários russos do Grupo Wagner, acusado pelo Ocidente de vários abusos, particularmente na República Centro-Africana e na Líbia, ainda que velada, é clara.

O documento sugere ainda a necessidade de um esforço crescente para "travar a recente onda de autoritarismo e golpes militares, trabalhando com aliados e parceiros na região para responder a recuos democráticos e violações dos direitos humanos".

Os Estados Unidos manifestam finalmente a intenção de utilizar a sua "capacidade unilateral" -- leia-se "militar" - contra alvos terroristas, "apenas onde for lícito e onde a ameaça for mais premente", mas apostam em "abordagens eficazes lideradas por civis, sempre que possível".

O apoio norte-americano à recuperação da região das graves consequências económicas da pandemia de covid-19 "é um pré-requisito para recuperar a confiança de África na liderança global dos Estados Unidos", acrescenta o documento.

Leia Também: Antony Blinken inicia em Joanesburgo segunda viagem oficial a África

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório