Meteorologia

  • 13 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 28º

Taiwan. Casa Branca chamou embaixador para condenar conduta de Pequim

O governo dos Estados Unidos convocou o embaixador da China em Washington, para condenar o comportamento "irresponsável" de Pequim em relação a Taiwan, adiantou hoje o porta-voz da Casa Branca para questões de segurança nacional, John Kirby.

Taiwan. Casa Branca chamou embaixador para condenar conduta de Pequim
Notícias ao Minuto

23:56 - 05/08/22 por Lusa

Mundo Taiwan

Qin Gang foi chamado após o que os norte-americanos consideram ser uma demonstração de força "provocadora" pelos militares chineses, em resposta à visita a Taiwan da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi.

John Kirby não especificou, no entanto, quem recebeu o embaixador chinês, noticiou a agência France-Presse (AFP).

"Condenamos as operações militares da China, que são irresponsáveis e contrárias ao nosso objetivo de longa data, de manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan", sustentou o porta-voz do conselho de segurança nacional da Casa Branca.

"Deixamos claro ao embaixador que as atividades de Pequim são motivo de preocupação para Taiwan, para nós e para nossos parceiros em todo o mundo", acrescentou, numa referência às preocupações expressas pelas principais democracias reunidas no G7 e na Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), que reúne os principais países do Sudeste Asiático.

O porta-voz reafirmou ainda que os Estados Unidos não mudaram "em nada" a sua política de 'Uma China'.

Os Estados Unidos não reconhecem a independência de Taiwan enquanto apoiam o direito da ilha de permanecer democrática.

"Também demos a conhecer que os Estados Unidos estão prontos para qualquer coisa que a China escolha fazer", assegurou.

O objetivo dos norte-americanos não é desencadear uma crise, concluiu, mas apontou que não significa serem impedidos de operar nos mares e céus do Pacífico Ocidental, de acordo com a lei internacional.

A China anunciou hoje que vai impor sanções não especificadas à líder do Congresso dos EUA, na sequência da sua visita de terça-feira a Taiwan.

O Governo chinês já tinha dito que Taiwan, enquanto território chinês, não pode ter os seus próprios compromissos com governos estrangeiros.

O ministério chinês referiu-se ainda à visita de Nancy Pelosi como tendo "sido provocatória" e sublinhou que o evento "minou a soberania e a integridade territorial da China".

A China anunciou também ter convocado os diplomatas europeus no país para protestar contra declarações emitidas pelo G7 (Grupo dos 7 países mais industrializados) e pela União Europeia a criticar os exercícios militares chineses ameaçadores perto de Taiwan, o que considera ser "uma interferência devassa nos assuntos internos da China".

A China enviou navios da Marinha e aviões de guerra e lançou mísseis no Estreito de Taiwan em resposta à visita de Nancy Pelosi a Taipei.

Cinco dos mísseis disparados pela China caíram na zona económica exclusiva do Japão, atingindo Hateruma, uma ilha ao sul do país, como afirmou o ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi.

De acordo com o ministro, o Japão protestou, classificando os disparos como "sérias ameaças à segurança nacional do Japão e à segurança do povo japonês".

Pequim reclama soberania sobre Taiwan e considera o território como uma província separatista, desde que os nacionalistas do Kuomintang se retiraram para a ilha em 1949, depois de perderem a guerra civil contra os comunistas.

Leia Também: Chega apela a Governo que tome posição "em defesa da autonomia de Taiwan"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório