Meteorologia

  • 13 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 28º

Zelensky contra-ataca após acusações da Rússia sobre Zaporizhzhia

Presidente ucraniano diz que ocupantes russos criaram outra situação extremamente arriscada para todos na Europa.

Zelensky contra-ataca após acusações da Rússia sobre Zaporizhzhia
Notícias ao Minuto

22:34 - 05/08/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, contra-atacou as acusações da Rússia de que a Ucrânia tinha atacado a central nuclear de Zaporizhzhia, controlada atualmente por russos.

"Hoje, os ocupantes criaram outra situação extremamente arriscada para todos na Europa – atacaram a central nuclear de Zaporizhzhia, duas vezes num dia”, disse Zelensky na sua mensagem de vídeo diária.

"Esta é a maior central nuclear do nosso continente. E qualquer bombardeamento nesta instalação é um crime aberto e descarado, um ato de terrorismo", acrescentou. 

Refira-se que o ministro da Defesa russo negou as acusações por parte da empresa que opera a central nuclear. 

Recorde-se que as autoridades separatistas russófonas de Enerdogar, alertaram hoje para novos ataques das forças ucranianas contra a infraestrutura, com Kyiv a replicar e a atribuir as ações militares às tropas russas.

Os responsáveis separatistas informaram ainda em comunicado na rede social Telegram que estão a adotar todas as medidas necessárias para normalizar rapidamente o funcionamento da central, situada no sul do país.

Os responsáveis locais consideram que o exército ucraniano atacou deliberadamente as linhas elétricas em território situado perto da central nuclear com o objetivo de criar uma ameaça para a população da zona.

Numa reação oposta, a Ucrânia acusou os russos de ataques perto do reator nuclear.

"Hoje foram assinalados três ataques perto de um dos reatores nucleares", anunciou na rede Telegram a empresa estatal ucraniana Energoatom, que gere as centrais nucleares do país.

"Existem riscos de fuga de hidrogénio e de pulverização de substâncias radioativas. O perigo de incêndio é elevado", indicou a empresa, que não se referiu a vítimas.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de quase 17 milhões de pessoas de suas casas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de dez milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 16 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A ONU contabiliza mais de 5.300 mortos civis, sublinhando que os números reais deverão ser muito superiores, mas que só serão conhecidos quando houver acesso a zonas ocupadas ou sob intensos combates.

Leia Também: "Risco de fuga de hidrogénio e pulverização radioativa" em Zaporizhzhia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório