Meteorologia

  • 30 SETEMBRO 2022
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 23º

Luta não é só na linha da frente. Ucrânia pondera legalizar casamento gay

A primeira marcha oficial do Orgulho gay realizou-se em Kyiv, em 2013.

Luta não é só na linha da frente. Ucrânia pondera legalizar casamento gay

Uma petição na Ucrânia apelando à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo obteve assinaturas suficientes para que o presidente considerasse a proposta.

A petição tem mais de 28.000 assinaturas, o que significa que o presidente Volodymyr Zelensky tem agora 10 dias para responder, avança a BBC. 

A homossexualidade não é ilegal na Ucrânia, mas os casamentos e relações entre pessoas do mesmo sexo não são reconhecidos legalmente.

Isto tem causado problemas às pessoas LGBT que se alistaram no exército perante a após a invasão da Rússia. Por exemplo, segundo a lei ucraniana, se alguém numa relação homossexual morrer, o seu parceiro não pode recolher o seu corpo ou enterrá-lo.

A petição diz: "Neste momento, todos os dias podem ser os últimos". Uma organização LGBT descreveu a petição como um "momento importante" para os membros da comunidade.

"É importante que as pessoas LGBTQ tenham o direito de ver o seu parceiro e tirar o seu corpo da morgue, e procurar uma indemnização se necessário", disse Oksana Solonska, diretora de comunicação social da Kyiv Pride, à BBC.

"Todos os casais casados têm estes direitos. Esperamos realmente que o casamento entre pessoas do mesmo sexo seja legalizado, para que as pessoas possam tomar conta um do outro", acrescentou ela.

Qualquer petição na Ucrânia que recolha mais de 25.000 assinaturas desencadeia automaticamente a consideração do presidente. No entanto, isto não garante quaisquer alterações à lei atual, e não é claro se Zelensky passará a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Embora tenham sido feitos alguns esforços para proteger os LGBT na Ucrânia - tal como uma lei anti-discriminação que foi introduzida em 2015 - a sua comunidade LGBT tem sofrido homofobia, intolerância e violência.

Em 2013, a primeira marcha oficial do Orgulho do país realizou-se em Kyiv, apesar dos protestos. Era para acontecer no ano anterior, mas foi cancelada após uma reunião de skinheads que ameaçou os participantes.

Em 2018, ativistas foram atacados num comício transexual de Kyiv por militantes de extrema-direita.

Apesar dos riscos, o desfile do Orgulho gay cresceu em popularidade, e no ano passado mais de 7.000 pessoas participaram numa marcha na capital.

De acordo com uma sondagem realizada pelo Instituto Internacional de Sociologia de Kyiv, em maio, nos últimos seis anos, o número de pessoas que têm uma "visão negativa" da comunidade LGBT diminuiu de 60,4% para 38,2%.

Cerca de 12% das pessoas têm uma atitude positiva - e cerca de 44% disseram que eram indiferentes.

Leia Também: Em Madrid, trocam-se as sapatilhas por saltos em nome da comunidade LGBT+

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório