Meteorologia

  • 14 AGOSTO 2022
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 27º

Amnistia acusa Rússia de ataque em Serhiivka que fez 21 mortos civis

A Amnistia Internacional (AI) responsabilizou hoje as forças russas pela morte de 21 civis num ataque, na semana passada, a um bloco de apartamentos e um hotel na cidade costeira de Serhiivka, no sul da Ucrânia.

Amnistia acusa Rússia de ataque em Serhiivka que fez 21 mortos civis

Depois da meia-noite de 01 de julho, as forças russas lançaram, pelo menos, dois mísseis na direção do hotel de Serviivka, localidade junto ao Mar Negro a cerca de 45 milhas (72 quilómetros) a sudoeste da cidade de Odessa, concluiu uma nova investigação da AI, que visitou o local.

O primeiro míssil atingiu o Hotel Godji, onde matou seis civis, entre eles a responsável pelo hotel, Nadiya Rudnitskaya, o seu filho de 12 anos, bem como duas outras mulheres que tinham fugido de Sloviansk, na região de Donbass.

Minutos depois, um segundo míssil atingiu a rua Budzhaska, perto de um edifício residencial de nove andares, matando 15 civis.

À Amnistia Internacional, Valentyna, a irmã de Tetiana Chulak, uma das vítimas fatais do bombardeamento, contou: "corri para o edifício e encontrei Tetiana na cama, morta, coberta de móveis e escombros esmagados, e o seu marido Volodymyr estava morto na cozinha. O seu filho Mykhaylo estava no terraço e foi diretamente atingido pelo míssil".

Os ataques fizeram ainda 35 feridos, dos quais cinco ficaram em estado grave.

Segundo a AI, membros governamentais locais confirmaram que as armas utilizadas no ataque correspondiam a dois mísseis Kh-22, ou seja, dispositivos de 900 quilos e com um sistema de mira desenhado para atingir navios de guerra, cujos fragmentos foram também encontrados no local do ataque.

"Estas poderosas armas foram concebidas para destruir navios de guerra e dispará-las para áreas residências é extremamente imprudente", afirmou a conselheira sénior da AI para Resposta e Crises, Donatella Rovera.

"Este ataque é mais uma prova do total desrespeito dos militares russos pelos civis na Ucrânia, uma vez que continuam a causar a morte e destruição desnecessárias", continuou.

Em comunicado, a organização relembrou que, à luz do direito intencional humanitário, as partes beligerantes têm a obrigação de distinguir entre civis e militares, sendo ilegal visar a vida ou os bens de civis.

Em Serviivka, a AI adiantou não ter encontrado nenhuma prova da presença de soldados, armas ou outros alvos militares ucranianos válidos nas proximidades.

Até agora, têm sido registados vários ataques ilegais realizados pelas tropas russas, nos quais morreram ou foram feridos civis, alguns dos quais podem ter sido deliberadamente executados.

"Quantos mais civis têm de morrer antes de haver justiça e responsabilidade por estes crimes? As forças russas responsáveis por estas graves violações contínuas do direito humanitário internacional devem ser responsabilizadas pelos seus atos, e as vítimas e as suas famílias devem receber reparações totais", concluiu Rovera.

A Rússia lançou, em 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia, condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Amnistia. Rússia cometeu "claro crime guerra" contra teatro de Mariupol

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório