Meteorologia

  • 16 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 18º MÁX 26º

Guiné. FAO desenvolve programa para combater parasitas nos cajueiros

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) está a desenvolver um programa na Guiné-Bissau para identificar e combater parasitas nos cajueiros, de onde é retirada a castanha de caju, principal produto de exportação do país.

Guiné. FAO desenvolve programa para combater parasitas nos cajueiros

Denominado, "Apoio à doença do cajueiro, pragas e gestão de pragas na Guiné-Bissau", o programa, que está a ser desenvolvido em conjunto com o Governo guineense, conta com a participação de investigadores da Universidade de Lisboa, que estiveram no país, em maio, a fazer visitas às plantações no arquipélago dos Bijagós e na região de Gabu.

"A missão na Guiné-Bissau dos investigadores portugueses teve como objetivo identificar as principais pragas, mas, sobretudo, formar técnicos para implementar boas práticas na gestão de pragas", refere a FAO, em comunicado a que a Lusa teve hoje acesso.

Citada no comunicado, Filipa Monteiro, investigadora do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, explicou que a missão nas ilhas teve como objetivo verificar uma zona que faltava, "especialmente numa área que fica na fronteira com a Guiné-Conacri".

"Para nossa surpresa, tivemos a perceção de que as hortas de cajueiro nas ilhas se encontram em relativas boas condições fitossanitárias, não afetam tanto os cajueiros quanto no continente", disse a investigadora.

Filipa Monteiro afirmou que foram encontradas pela primeira vez na Guiné-Bissau, nas ilhas de Orango e Bubaque, os pulgões de cajueiro.

"Encontrámos algumas plantas com doenças e a principal delas é a resinosa, mas sempre associada a cajueiros mais velhos. O pó fidalgo [planta semi parasita que se fixa nos ramos do cajueiro e absorve a seiva], que mata a árvore, nas ilhas de Orango e Bubaque, sendo no continente um problema bastante grande em regiões litorais como Biombo, Quinara, Tombali e Cacheu", explicou a investigadora, que recomenda o corte dos ramos afetados para evitar a morte do cajueiro.

O comunicado refere que a FAO está a apoiar o Governo através do diagnóstico de doenças, pragas e parasitas do caju ao mesmo tempo que dá formação profissional a técnicos para a sua identificação.

"Os técnicos estarão em campo todas as semanas, tirando fotos, verificando e comparando diferentes partes das plantações", afirmou Zinha Correia, coordenadora nacional do projeto, também citada no comunicado.

A castanha de caju é o principal produto de exportação da Guiné-Bissau, motor do crescimento económico do país, e da qual depende direta ou indiretamente 80% da população guineense.

Leia Também: Governo da Guiné-Bissau volta a aumentar preço dos combustíveis

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório