Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 26º

Polícia sul-africana dispersa bloqueio de camionistas no sudeste do país

A polícia sul-africana retirou hoje de madrugada dezenas de camiões e carrinhas táxi que bloquearam os acessos da N2, junto Empangeni e à cidade portuária de Richards Bay, norte da província de KwaZulu-natal, sudeste do país.

Polícia sul-africana dispersa bloqueio de camionistas no sudeste do país

"Esta manhã, às 04:00, foram utilizados camiões para bloquear a R34, bem como a autoestrada N2, em Empangeni, em ambas as direções. A estrada está agora reaberta ao tráfego", declarou à imprensa local a porta-voz da polícia sul-africana Nqobile Qwala.

Na quarta-feira, pelo menos 15 motoristas de carrinhas táxi foram detidos na cidade de Mbombela, província sul-africana de Mpumalanga, que faz também fronteira com Moçambique, por alegadamente instigarem o bloqueio da N4, a principal autoestrada no nordeste do país que liga a Moçambique, segundo a polícia sul-africana.

De acordo com as autoridades, os condutores de camiões estacionaram os veículos e foram-se embora, alegadamente em protesto contra o aumento dos preços dos combustíveis na quarta-feira no país.

O porto de Richards Bay, construído na década de 1970, movimenta mais de 80 milhões de toneladas anualmente, representando 55% do volume total de carga marítima do país, segundo as autoridades portuárias sul-africanas.

O porto é considerado o maior terminal de exportação de carvão da África do Sul, servindo as minas de carvão nas províncias de KwaZulu-Natal e Mpumalanga.

A África do Sul enfrenta, em pleno inverno, múltiplos cortes de energia sem precedentes, afetando os mais de 60 milhões de habitantes com 12 a 16 horas por dia sem energia elétrica.

Os novos cortes de energia são os mais severos desde 2019 na África do Sul.

A estatal elétrica Eskom, que atribuiu a recente escalada de cortes a uma greve salarial "ilegal" de última hora, mantém os 'apagões' apesar de um acordo com os sindicatos na terça-feira para um aumento salarial de 7%, uma semana depois de agravar o nível de cortes de energia para o sexto mais severo, numa escala de oito.

No ano passado, nesta data, a província do KwaZulu-Natal foi o centro de ações de violência e pilhagens que abalaram a África do Sul durante cerca de duas semanas.

Os incidentes começaram um dia após o ex-Presidente Jacob Zuma, que se encontra em liberdade condicional médica, ter sido detido e condenado a 15 meses de prisão por desacatos à justiça.

Após a detenção, o país mergulhou numa série de protestos e pilhagens sem precedentes na história recente da África do Sul pós-'apartheid'.

Segundo o Presidente, Cyril Ramaphosa, que é também presidente do Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), o partido no poder desde 1994, tratou-se de uma tentativa orquestrada de desestabilização do país.

O ANC Governante, que registou uma queda acentuada de apoio eleitoral nas eleições locais do ano passado, enfrenta múltiplos escândalos de corrupção e divisões internas, preparando-se para realizar a sua conferência nacional eletiva em dezembro.

Leia Também: Camionistas bloqueiam estradas entre África do Sul e Moçambique

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório