Meteorologia

  • 08 AGOSTO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 27º

Chris Patten lamenta atual regime "brutal e autoritário" em Hong Kong

Passados 25 anos desde a transferência da soberania de Hong Kong para a China, o último governador britânico, Chris Patten, responsabiliza o Partido Comunista e o Presidente chinês, Xi Jinping, pelo atual regime "brutal e autoritário" no território.

Chris Patten lamenta atual regime "brutal e autoritário" em Hong Kong

Na sexta-feira, 01 de julho, assinala-se o 25.º aniversário da passagem da soberania da antiga colónia britânica para Pequim e Xi Jinping irá à região administrativa especial chinesa para marcar a data.

"Penso que é justo dizer que durante 10 anos após 1997, talvez um pouco mais, as coisas não correram muito mal. Mas deterioraram-se porque Xi Jinping e colegas têm medo do que Hong Kong representa", disse recentemente o antigo governador num encontro com jornalistas para promover a sua obra "Diários de Hong Kong".

O livro é um registo das suas vivências no posto que assumiu em 1992 e que manteve durante cinco anos, incluindo encontros com políticos e dirigentes portugueses da região vizinha Macau, mas traça igualmente a história de Hong Kong e faz uma reflexão da presença britânica e do que aconteceu a seguir. 

A antiga colónia foi ocupada durante a Guerra do Ópio, em meados do século XIX, mas em 1984 a transferência para a soberania britânica foi decidida pela Declaração Sino-Britânica para ser efetuada três anos depois. 

Patten foi enviado em 1992 com a incumbência de liderar a transição e garantir que ficasse em vigor um sistema democrático e relativamente autónomo.

O antigo deputado conservador é o primeiro a admitir na obra que persistia na colónia ressentimento devido a resquícios de racismo colonialista, afirmando: "Nenhum de nós que partiu em 1997 fingiria que Hong Kong era perfeita". 

Mesmo assim, quando o Reino Unido deixou Hong Kong, defende, existia uma economia de mercado próspera e socialmente responsável, com um sistema de apoio social, serviços de saúde e educação.

Enquanto Jiang Zemin e Hu Jintao lideraram a China, "Hong Kong permaneceu identificável como era antes de 1997", acrescenta Chris Patten, mantendo o Estado de direito, a justiça independente e uma polícia respeitadora dos direitos humanos, que permitia a liberdade de reunião, protestos e imprensa sem censura. 

"Hong Kong parecia ter sobrevivido razoavelmente bem, embora com alguns golpes e contusões: uma extraordinária mistura de atitudes chinesas e ocidentais, um grande centro comercial e cultural internacional atuando como o principal canal para investimentos dentro e fora da China, e uma parte da China com personalidade própria", descreve no livro.

Porém, após uma década, refere, gradualmente Pequim começou a interferir na economia, na educação e na legislação, apesar da promessa de manter durante pelo menos 50 anos um elevado grau de autonomia que ficou conhecido por "um país, dois sistemas".

Nos últimos anos, lamenta o antigo governador, assistiu-se à "destruição de uma das sociedades mais livres da Ásia pela tirania comunista com a cumplicidade de alguns líderes locais e contra a vontade manifesta da maioria do público". 

Desde os protestos pró-democracia em 2019 e 2020, dezenas de ativistas de Hong Kong acusados de violação da lei de segurança nacional foram detidos por alegada "subversão", arriscando alguns a prisão perpétua. 

Entre aqueles estão antigos deputados da Assembleia Legislativa, advogados, trabalhadores e jovens ativistas, sindicalistas e jornalistas. 

Entretanto, milhares de residentes de Hong Kong com passaporte britânico aproveitaram o regime especial de imigração para se mudar para o Reino Unido. 

Durante os cinco anos em funções, entre 1992 e 1997, Patten desenvolveu uma relação afetuosa com a província, para a qual levou a família, incluindo a esposa Lavender, que "abdicou de uma carreira bem-sucedida como advogada", conta. 

Por isso confessa sentir uma "profunda tristeza com o que está a acontecer" e revela o dilema que tem muitas vezes quando estudantes da Universidade de Oxford, onde é reitor, lhe pedem conselhos sobre se devem voltar ou ficar no Reino Unido. 

"Parte o coração ver o que está a acontecer àquelas pessoas que se identificavam como chineses de Hong Kong, mas não têm orgulho do facto de Hong Kong ter revertido para a soberania chinesa, o território ocupado", relata.  

Ainda assim, afirma que "Hong Kong é uma grande cidade" e que espera que "volte a ser uma grande cidade". 

Leia Também: Xi Jinping visita Hong Kong no culminar da sua transfiguração

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório