Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
26º
MIN 15º MÁX 26º

Espanha defende ciência e renova apelo a fim da pesca ilegal

Espanha defendeu hoje que a declaração final da II Conferência dos Oceanos tem de refletir os apelos sobre o fim da pesca ilegal e sobrepesca e o uso da ciência em soluções para a utilização sustentável dos recursos naturais.

Espanha defende ciência e renova apelo a fim da pesca ilegal
Notícias ao Minuto

15:35 - 29/06/22 por Lusa

Mundo Oceanos

"A pesca sustentável é fulcral nas regiões costeiras e desempenha um papel importante na nossa sustentabilidade alimentar (...) é um instrumento crucial dentro da agenda 2030" e por isso "temos de ser capazes de encontrar soluções", instou ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação de Espanha, Luis Planas, na sua intervenção na Conferência dos Oceanos das Nações Unidas (ONU), que decorre em Lisboa.

O ministro espanhol prometeu que Espanha "continuará a ser ativa e pioneira" neste domínio, sublinhando o quanto se ouviu nesta conferência que "a pesca ilegal e sobrepesca são ameaças a que há que pôr fim".

Planas referiu-se "ao sucesso" da experiência espanhola em reservas de zonas marinhas, "que cobrem muitos hectares e procuram regenerar os ecossistemas marinhos e proteger a pesca em pequena escala", como um exemplo do que pode ser feito.

"Espanha, com a sua longa costa e os seus milhões de quilómetros quadrados de mar com as suas muitas espécies, sempre viu os oceanos como cruciais para a nossa economia, cultura e estilo de vida", referiu.

A ciência, "essencial para trazer soluções para a utilização sustentável dos recursos naturais e a proteção da biodiversidade" foi outra das tónicas na intervenção de Planas.

O ministro defendeu a investigação científica, afirmando "a tomada de decisões na gestão das atividades económicas ligadas à pesca feita com base no melhor conhecimento disponível".

Os documentos finais desta conferência "devem refletir isso", prosseguiu o representante de Espanha, sublinhando que os ecossistemas marinhos e a biodiversidade têm um papel crucial na segurança alimentar e nas economias.

Luis Planas confia em que o acordo global sobre plásticos, que está a ser negociado no âmbito das Nações Unidas, "ajudará também a resolver o fenómeno destrutivo da poluição" dos oceanos e a preservar a biodiversidade para as gerações futuras.

A II Conferência dos Oceanos da ONU, organizada em conjunto por Portugal e pelo Quénia, teve início na segunda-feira e termina na sexta-feira, em Lisboa.

Leia Também: Responsável da ONU espera declaração robusta no final de conferência

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório