Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

EUA. Candidata republicana duvida que mulheres engravidem de violação

"Não é algo que esteja a acontecer organicamente. Está a forçá-lo. O indivíduo, o homem, está a fazê-lo tão rapidamente", considerou Yesli Vega, descrevendo uma violação.

EUA. Candidata republicana duvida que mulheres engravidem de violação

Yesli Vega, uma candidata do Partido Republicano do estado norte-americano de Virgínia ao Congresso, afirmou que as mulheres vítimas de violação têm menos probabilidades de engravidar porque “não é algo que acontece organicamente”. Os comentários sugiram no mês passado, ainda antes do Supremo Tribunal dos EUA anular o direito constitucional ao aborto, mas foram agora divulgados pelo jornal Axios.

Questionada, num evento no Condado de Stafford, sobre o que o Congresso poderia se a decisão Roe v. Wade fosse revogada, a republicana - que pretende destituir a democrata Abigail Spanberger do 7.º distrito de Virgínia - respondeu com base na sua “experiência” enquanto “agente da autoridade” no condado de Prince William.

“A esquerda dirá: Bem, e em casos de violação ou incesto? Eu sou uma agente da autoridade. Tornei-me oficial da polícia em 2011. Trabalhei num caso em que, em resultado de uma violação, a jovem ficou grávida”, começou por afirmar a republicana.

No áudio, é possível ouvir alguém a questionar Vega: “Na verdade, já ouvi dizer que é mais difícil para uma mulher engravidar se tiver sido violada. Já ouviu falar sobre isso?”

“Talvez, porque há tanta coisa a acontecer no corpo. Não sei. Eu não vi, sabe, nenhum estudo. Mas se eu processar o que está a dizer, não me surpreenderia”, começou por afirmar. “Porque não é algo que esteja a acontecer organicamente. Está a forçá-lo. O indivíduo, o homem, está a fazê-lo tão rapidamente - não é como se, você sabe... - por isso, posso ver porque é que há verdade nisso. É uma infelicidade”

O jornal online que divulgou os comentários, Axios, pediu a Yesli Vega que comentasse a sua posição. “Sou mãe de dois filhos, tenho plena consciência de como as mulheres engravidam”, defendeu. 

Na semana passada, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos aprovou, com o apoio de seis dos nove juízes da mais alta instância judicial dos EUA, uma decisão que anula o direito constitucional ao aborto. Agora, os estados que assim decidirem poderão proibir totalmente o aborto.

Leia Também: Califórnia decide direito constitucional ao aborto em novembro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório