Meteorologia

  • 27 JUNHO 2022
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Lituânia aumenta despesa em Defesa para acolher mais tropas da NATO

Para o próximo ano, o país irá já destinar 1,5 mil milhões de euros, o equivalente a 2,52% do seu PIB, ao setor da Defesa.

Lituânia aumenta despesa em Defesa para acolher mais tropas da NATO
Notícias ao Minuto

12:26 - 23/06/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

A Lituânia deve aumentar as suas despesas em Defesa para os 3% do PIB (Produto Interno Bruto), de forma a poder acolher um número muito maior de tropas da NATO, num contexto de receio relativamente a uma eventual invasão russa sobre o país, segundo as informações avançadas à Reuters pelo presidente do país, Gitanas Nausėda.

As declarações foram proferidas numa altura em que os membros da Aliança Atlântica continuam divididos quanto a eventuais destacamentos de tropas e de armamento adicional para a sua fronteira leste.

Em antecipação à cimeira da NATO, que vai acontecer na próxima semana, em Madrid, a Alemanha concordou em fornecer uma brigada pronta a combater, composta por cerca de 3.000 tropas, que poderia ser destacada rapidamente para defender a Lituânia, se necessário.

Numa entrevista dada esta semana à Reuters, o presidente lituano disse esperar que a Lituânia pudesse acolher a brigada até 2027 - mas apenas se gastar centenas de milhões para desenvolver instalações militares para a alojar.

"Em termos de infraestruturas, não estamos preparados para instalar uma unidade com o tamanho de uma brigada na Lituânia, porque não existe aqui nenhuma infraestrutura de alojamento. Espero que até 2027 estejamos prontos", explicou Nauseda.

"Estamos a falar de centenas de milhões de euros para esse fim. E este é também um montante sério que me permite falar sobre a necessidade de atingir os 3% dos gastos com a Defesa nos próximos anos", acrescentou ainda o chefe de Estado da Lituânia.

Para o próximo ano, o país irá já destinar 1,5 mil milhões de euros, o equivalente a 2,52% do seu PIB, ao setor da Defesa.

As preocupações de uma eventual invasão russa sobre outros territórios surge na sequência da guerra na Ucrânia, que dura já desde 24 de fevereiro e que causou já a morte de, pelo menos, 4.481 civis e deixou 5.565 feridos, segundo os cálculos da Organização das Nações Unidas (ONU).

Leia Também: Lituânia. Resposta da Rússia "não será diplomática, mas prática"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório