Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 17º

Kyiv acusa Rússia de deter 600 pessoas em Kherson

A Ucrânia acusou hoje o exército russo de ter detido cerca de 600 pessoas, incluindo jornalistas e ativistas pró-Kyiv, na região de Kherson, no sul do país, inteiramente ocupada pelas forças de Moscovo.

Kyiv acusa Rússia de deter 600 pessoas em Kherson

"Segundo as nossas informações, cerca de 600 pessoas estão (...) detidas em porões especialmente preparados na região de Kherson", informou Tamila Tacheva, representante do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, para a Crimeia, península ucraniana fronteiriça com Kherson que foi anexada por Moscovo em 2014.

De acordo com Kyiv, os detidos são "principalmente jornalistas e ativistas" que organizaram "comícios pró-ucranianos em Kherson" após a ocupação deste território pelos russos.

"Segundo as nossas informações, eles estão a ser mantidos em condições desumanas e são vítimas de tortura", acusou Tacheva.

Alguns dos ucranianos detidos na região de Kherson - civis, mas também prisioneiros de guerra - foram enviados para prisões na Crimeia, segundo a mesma fonte.

Banhada pelo Mar Negro e pelo Mar de Azov, a região ucraniana de Kherson, com uma área de cerca de 28.000 quilómetros quadrados, tinha mais de um milhão de habitantes antes do início da invasão russa.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de quase 15 milhões de pessoas de suas casas -- mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,9 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou hoje que 4.253 civis morreram e 5.141 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 104.º dia, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Leia Também: "Fase prolongada" da guerra. Rússia está a construir defesas em Kherson

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório