Meteorologia

  • 11 AGOSTO 2022
Tempo
25º
MIN 19º MÁX 26º

EUA continuam "preocupados" após visita de responsável da ONU a Xinjiang

O secretário de Estado norte-americano Antony Blinken expressou "preocupação" com as possíveis restrições colocadas à visita a Xinjiang, região do noroeste da China, da alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

EUA continuam "preocupados" após visita de responsável da ONU a Xinjiang
Notícias ao Minuto

06:04 - 29/05/22 por Lusa

Mundo China

Num comunicado divulgado no sábado, Blinken acusou a China de "esforços para restringir e manipular a visita" de Bachelet a Xinjiang, onde alegadamente se têm registado abusos contra minorias muçulmanas, como os uigures.

A visita "não permitiu uma avaliação completa e independente da situação dos direitos humanos, inclusive em Xinjiang", lamentou o secretário de Estado norte-americano.

Também Bachelet admitiu no sábado que a visita a Xinjiang não foi uma "investigação" sobre alegados abusos, mas garantiu que Pequim "não tinha supervisionado" os encontros que teve na região.

Numa conferência de imprensa virtual para assinalar o final da viagem, que começou na segunda-feira, a ex-presidente chilena esclareceu que a sua visita de "alto nível" não permitiu a "metodologia detalhada" de um "trabalho de natureza investigatória".

Aquela responsável adiantou que o governo regional de Xinjiang lhe assegurou que a rede de "centros de formação profissional", acusada por organizações de direitos humanos de ser uma rede de "campos de reeducação", tinha sido "desmantelada".

Ainda assim, a alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, de 70 anos, exortou a China a evitar "medidas arbitrárias" nas suas ações "anti-terroristas" em Xinjiang.

A região tem sido desde há muito cenário de ataques contra civis cometidos, segundo o Governo, por separatistas e extremistas uigures.

Em nome do antiterrorismo, o território tem sido objeto de vigilância apertada desde há vários anos e estudos ocidentais acusam Pequim de ter internado mais de um milhão de uigures e membros de outros grupos étnicos muçulmanos em "campos de reeducação".

A China, por seu turno, denuncia os relatórios como tendenciosos e fala de "centros de formação profissional" concebidos para erradicar o extremismo.

Na sexta-feira, o governo alemão recusou pela primeira vez apoiar investimentos na China, devido à situação dos direitos humanos em Xinjiang, indicou o ministro da Economia alemão, Robert Habeck.

Leia Também: Pequim afirma que discurso de Blinken visa conter a China

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório