Meteorologia

  • 24 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 24º

Ucrânia. Igreja ortodoxa ucraniana rompe com Patriarcado de Moscovo

A Igreja ortodoxa ucraniana (UPTS) anunciou hoje a sua rutura com o Patriarcado de Moscovo, devido ao apoio aberto deste à "operação militar especial" russa na Ucrânia.

Ucrânia. Igreja ortodoxa ucraniana rompe com Patriarcado de Moscovo

"Manifestamos o nosso desacordo com a posição do patriarca de Moscovo, Cirilo, sobre a guerra na Ucrânia", assinalou o comunicado inserido na página da UPTS na internet.

Por isso, o Concílio da UPTS tomou hoje a decisão de declarar "a plena autonomia e independência da Igreja ortodoxa ucraniana".

"O concílio apela às autoridades da Ucrânia e Rússia para que prossigam o processo negocial e a procura de uma palavra forte e sensata que possa travar o derramamento de sangue", acrescenta.

Cirilo I, que mantém uma estreita relação com o Kremlin, apelou aos russos nas suas homilias para cerrarem fileiras com o Kremlin e o exército russo na sua guerra santa contra o "Anticristo", numa referência ao Governo ucraniano e patrocinadores ocidentais.

Muitas das dioceses ucranianas que ainda dependem do Patriarcado de Moscovo deixam de mencionar Cirilo nos seus sermões, num sinal de rejeição.

O patriarca russo promoveu a ideia do "mundo russo", devendo englobar os locais onde se fale russo e se pratique a fé ortodoxa, e tornar-se zona de influência de Moscovo independentemente das fronteiras internacionais, numa missão messiânica de defesa dos russos e dos seus valores tradicionais.

A UPTS também se aproximou da Igreja ortodoxa da Ucrânia (PTSU) criada em 2018 por Kiev após receber o apoio do Patriarcado de Constantinopla, rival de Moscovo.

A estreita dependência da Igreja ortodoxa russa face às posições do Kremlin afastou progressivamente os ortodoxos ucranianos do Patriarcado de Moscovo.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de oito milhões de pessoas, das quais mais de 6,6 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: "Insanidade continua". Igreja Ortodoxa Russa continua a benzer armamento

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório