Meteorologia

  • 25 JUNHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 23º

Homem mais rico da Ucrânia vai processar Rússia por danos às empresas

Rinat Akhmetov vai processar o governo russo por danos entre os 15,8 mil milhões e os 18,6 mil milhões de euros às suas infraestruturas e empresas.

Homem mais rico da Ucrânia vai processar Rússia por danos às empresas
Notícias ao Minuto

16:03 - 26/05/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Ucrânia/Rússia

A vasta destruição provocada pela Rússia em solo ucraniano faz-se sentir com mais impacto nos sobreviventes mais pobres e carenciados, que ficaram sem quase nada no meio dos bombardeamentos e dos ataques russos. No entanto, um bilionário quer processar o Kremlin pelos danos provocados aos seus negócios.

Rinat Akhmetov disse ao site ucraniano mrpl.city, citado pela Reuters, que planeia processar a Rússia por danos que se situam entre os 15,8 e os 18,6 mil milhões de euros, desde danos infraestruturais a disrupções na produção e fornecimento de muitas das suas empresas, entre outros.

Akhmetov procura ser reembolsado especialmente pela destruição em Mariupol e, especificamente, pela sua siderúrgica de Azovstal - que, durante meses, serviu de bastião para a defesa ucraniana na cidade e acabou por render-se recentemente.

"Vamos definitivamente processar a Rússia e exigir uma compensação adequada para todas as baixas e negócios perdidos", disse o empresário.

A fábrica de Azovstal pertence ao império do aço de Akhmetov através da empresa Metinvest. Além dessa fábrica, a metalúrgica de Illich, também em Mariupol, foi gravemente danificada pelos ataques dos invasores russos.

Rinat Akhmetov conta que os seus negócios já foram impactados em 2014, devido à guerra no Donbass entre a Ucrânia e os separatistas pró-russos. Mas, desde o dia 24 de fevereiro, a situação piorei, e a Metinvest deixou conseguir garantir os fornecimentos contratualizados - Akhmetov também é dono da DTEK, a maior empresa privada de energia na Ucrânia, que foi obrigada a pedir uma reestruturação da dívida.

O bilionário continua confiante, contudo, numa vitória ucraniana, garantindo que não pondera abandonar o barco. "Acredito no nosso país e acredito na nossa vitória", disse Akhmetov.

A guerra na Ucrânia já fez quase 4.000 mortos entre a população civil, segundo os dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. No entanto, a organização alerta que o número de mortos poderá ser muito superior, dadas as dificuldades em contabilizar as baixas em cidades tomadas e sitiadas pela Rússia.

Leia Também: Homem mais rico da Ucrânia promete reconstruir Mariupol

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório