Meteorologia

  • 04 JULHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 28º

Guerra na Ucrânia. Chefes de diplomacia do báltico repercussões na região

Os chefes da diplomacia dos países do Mar Báltico defenderam, esta quarta-feira, que a invasão russa da Ucrânia terá um "impacto negativo de longo prazo" na segurança da região.

Guerra na Ucrânia. Chefes de diplomacia do báltico repercussões na região
Notícias ao Minuto

17:08 - 25/05/22 por Lusa

Mundo Conselho dos Estados do Mar Báltico

As reuniões ministeriais do Conselho dos Estados do Mar Báltico, um órgão de cooperação regional, foram suspensas após a anexação da Crimeia pela Rússia, em 2014, e com o início do apoio de Moscovo aos separatistas no leste da Ucrânia.

Rompendo com esta longa pausa, os chefes da diplomacia dos 10 países do Mar Báltico - Alemanha, Noruega, Suécia, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Polónia, Estónia, Lituânia, Letónia -- reuniram na terça-feira e esta quarta-feira em Kristiansand (sul da Noruega), também na presença do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

A Rússia, por outro lado, não esteve representada nesse encontro, já que, depois de ver suspensa a sua participação no Conselho, em 03 de março, retirou-se em 17 de maio.

"A agressão russa [na Ucrânia] é completamente inconsistente com o modelo de cooperação que rege as relações internacionais na região do Mar Báltico: tem um impacto negativo de longo prazo na segurança regional e é contrária à ordem internacional baseada em regras", disseram os participantes.

"As relações do Conselho com a Rússia e com a Bielorrússia (país observador) permanecerão em suspenso até que a cooperação seja possível de novo, dentro da estrutura dos princípios fundamentais do direito internacional", acrescentaram os membros do Conselho.

Os participantes também renovaram o seu apoio à Ucrânia, dizendo que estão "prontos para se comprometer numa forte parceria de cooperação e reconstrução", bem como para a abertura de investigações internacionais sobre crimes de guerra.

A reunião do Conselho dos Estados do Mar Báltico ocorre quando dois países, Finlândia e Suécia, os únicos membros restantes do Conselho que não fazem parte da NATO, solicitaram oficialmente a adesão à Aliança Atlântica.

O Báltico tem sido palco de intensa atividade militar, há várias semanas, com exercícios na Polónia, Estónia e Dinamarca.

Leia Também: Suécia garante à Turquia que não apoia organizações terroristas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório